Segurança: na entrada da Barreira de Itaipu, abra os vidros traseiros

Segurança: na entrada da Barreira de Itaipu, abra os vidros traseiros

08h54 - 11/04/2019

Agentes devem fazer a inspeção visual de todos os veículos que entram na usina. Foto: Rubens Fraulini.

A norma é simples e serve para a segurança de todos: motoristas devem abrir o vidro traseiro dos veículos ao passar pela Barreira de Controle da usina, para que os agentes de segurança possam realizar a inspeção visual. Na realidade, porém, muita gente não gosta e até se incomoda quando é solicitado.

Entretanto, esse gesto simples pode até mesmo salvar vidas.

Sempre atento ao trabalho na Barreira, o agente de segurança Eudes Leite Rodrigues (SEOC.AD) reparou que grande parte dos automóveis que entram na usina têm cadeirinhas no banco traseiro – indicativo de filhos pequenos. Nesses casos, abrir o vidro para inspeção permite que os agentes verifiquem a presença de uma criança no carro, evitando tragédias.

Esquecer a criança no banco traseiro é um erro comum, que pode ser fatal. Foto: Thinkstock/Courier Journal.

Não são raros os casos de pais e mães que esquecem os filhos no banco traseiro, fecham o carro e vão às compras ou ao trabalho. E essa distração pode ser fatal. Segundo a agência de segurança de transporte dos EUA (NHTSA), a temperatura dentro de um carro num dia em que faz 26ºC pode alcançar níveis mortais em apenas 10 minutos. E a temperatura corporal de crianças sobe de 3 a 5 vezes mais rápido do que a de adultos.

Outro fator que dificulta a visualização é a película do tipo insulfilme. “Os veículos têm películas muito escuras, principalmente no vidro traseiro, o que dificulta a observação, e nem sempre há possibilidade de este vidro ser baixado, pois alguns são manuais”, lembra Eudes.

Ajudar é simples: basta colaborar. “Solicitamos que o motorista abra a janela, para sabermos se de fato a cadeirinha está vazia, evitando longas filas e facilitando a entrada dos colegas”, completou o agente.

Crianças são mais suscetíveis ao calor intenso. Foto: Jane Mellin/The Mellin Patch.

Tragédia

A morte de crianças por esquecimento dos pais está se tornando cada vez mais comum. E não é sinônimo de negligência ou de falta de amor por parte dos pais. Normalmente, a situação ocorre por distração.

Não há dados sobre esse tipo de mortes no Brasil, mas nos Estados Unidos estima-se que em média 38 crianças morrem por ano esquecidas em carros. Para reduzir essa triste estatística, a ONG Safe Kids Worldwide sugere alguns truques simples:

- Boa parte dos casos noticiados ocorre na mudança de rotina. Por exemplo: o pai leva o bebê para a creche quando, quem faz isso, todos os dias, é a mãe. Além de redobrar a atenção nesses casos, o casal pode combinar de se falar ou trocar mensagens perguntando sobre a criança e confirmando se ela foi deixada na escola.

- Coloque músicas infantis no som do carro quando seu filho estiver junto. É mais uma maneira de reforçar a sua responsabilidade sobre ele.

- Quando as crianças têm menos de um ano e o bebê-conforto ainda fica voltado para trás, use um espelhinho pendurado no encosto do banco traseiro. Assim, você pode observar seu filho pelo retrovisor.

A campanha "Fralda no Volante" ajuda a conscientizar pais sobre o problema. Foto: Raíssa Neitzke/Instagram. 

- Você pode amarrar uma fralda de pano no volante, para não se esquecer. Outra opção é deixar a mochila da criança no banco da frente.

- Um truque infalível é colocar a carteira, a bolsa, a pasta de trabalho ou o celular no banco de trás, próximo à cadeirinha. Dessa maneira, você vai precisar se virar para pegar os objetos e verá seu filho. Caso esqueça também esses pertences, provavelmente, não vai demorar em sentir falta e a criança poderá ser salva.

- Evite o uso de películas muito escuras nos vidros. No caso de um esquecimento como esse, a transparência facilita que alguém que passe perto do carro veja o bebê e peça socorro.

- Quando descer do carro em algum estacionamento, observe se há algum bebê esquecido nos veículos próximos. Além de evitar acidentes com seus próprios filhos, você pode salvar vidas de outras crianças.

Versão para impressão