Olheiros, atenção: conheçam o PIIT bom de bola!

Olheiros, atenção: conheçam o PIIT bom de bola!

10h39 - 30/05/2019

Engajar-se no espore ajudou a destacar o talento de Marcos. Foto: Nilton Rolin.

Dentro e fora das quadras, ele é o cara. Marcos Alexandre Brito Marques, de 17 anos, integrante do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho (PIIT) e lotado na Comunicação Social de Itaipu (CS.GB), bate um bolão. Na carreira precoce de jogador de futsal, já conquistou quase 50 medalhas, entre elas como destaque do time. Foi o mais jovem jogador a disputar uma liga internacional pelo Sub-20 do Foz Cataratas Futsal, onde atua na posição "fixo". Ele joga na mesma posição pela equipe Pôr do Sol.

Jovem de 17 anos é destaque no futsal. Foto: Abel Andreghetti.

Sua inspiração no esporte vem dos craques Falcão e Rodrigo. E, na vida pessoal, dos familiares e da namorada Nathália, que o apoiam e o incentivam a se profissionalizar.

O sonho de jogador começou por acaso, quando o pai, Robinson Crusoé, colocou-o numa escolinha de futsal para ajudá-lo no tratamento respiratório. Ele só tinha 5 anos de idade e a dica do médico foi o pontapé inicial da jornada rumo ao sucesso. Aos 13 anos, ele não precisou mais de remédio.

Superando dificuldades, jovem atleta já conquistou quase 50 medalhas no esporte. Foto: Abel Andreghetti.

O futsal não só o curou, como também mudou os planos de sua vida. Embora queira se formar em Engenharia Elétrica – ele está no terceirão – Marcos quer mesmo é viver da profissão de boleiro. E tem se esforçado para isso.

Marcos recebe o apoio da chefe Patrícia Iunovich e a secretária Andreia Simone. Foto: Nilton Rolin.

De manhã, ele ajuda a secretária Andreia Simone a cuidar da agenda da Assessoria de Comunicação Social (CS.GB). De tarde, treina. À noite, estuda. O jovem consegue se manter com uma bolsa do Foz Cataratas Futsal e com o salário de Itaipu como menor aprendiz. Aliás, um bom aprendiz, que não falta ao trabalho, executa as tarefas direitinho e está sempre bem disposto, segundo a chefe da CS.GB, Patrícia Iunovich.

Apoio da família e dedicação garantem sucesso nas quadras. Foto: Abel Andreghetti.

Mas, claro, como todo mundo sabe, a carreira de jogador, por mais bonita e glamourosa que possa ser, tem vida curta. Depois de reinar nas quadras, Marcos Alexandre poderá seguir a profissão que também escolheu, a de engenheiro elétrico. O futuro mais imediato está nos pés e outro, um pouco mais distante, depende da boa cabeça - que ele já tem - e no gosto pela matemática.

É bom guardar bem esse nome: Marcos Alexandre. Com a dedicação e talento que tem, logo o menino chega à seleção brasileira. É só um olheiro descobrir o que Foz do Iguaçu inteira já sabe. Esse garoto tem um único futuro: brilhar ao lado de outras estrelas como ele.

Participação no esporte contribuiu para a saúde e o sucesso de Marcos. Foto: Abel Andreghetti.

Aos 17 anos, Marcos já integra a modalidade Sub-20. Foto: Nilton Rolin.

E você? Conhece algum talento desconhecido em sua área? Entre em contato com a Divisão de Imprensa, que nós publicamos aqui no JIE! É só clicar em Fale com a Imprensa, ali na capa do jornal, e contar a sua história.

Versão para impressão