Itaipu participa de reunião do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira

Itaipu participa de reunião do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira

15h36 - 13/12/2018

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Marcos Stamm, participou, na manhã desta quinta-feira (13), da última reunião de 2018 do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira (GGI/F PR), na sede da Polícia Federal, em Foz do Iguaçu.

O diretor Stamm entre o atual (à esquerda) e o futuro (à direita) Secretário de Segurança Pública do Paraná.

O encontro também marcou o último compromisso do general Luiz Felipe Carbonell como chefe da Assessoria de Informações da Itaipu (AI.GB). Carbonell foi indicado para assumir a Secretaria de Segurança Pública do Paraná, no governo de Ratinho Júnior, a partir de 2019.

Binacionalidade e faixa do reservatório fazem de Itaipu agente importante na segurança da fronteira.

“Aproveito para passar o bastão de forma simbólica para o general, que é reconhecido por sua contribuição à segurança pública do Estado”, afirmou o secretário de Segurança Pública, Júlio Reis. “A partir do dia 26, eu me desvinculo da Itaipu para participar da transição de governo”, complementou Carbonell.

Representantes da PF, Exército, Receita Federal entre outras autoridades participaram da reunião.

Participaram do encontro autoridades das forças de segurança do Paraná, em especial, da região de Foz. Para Marcos Stamm, Itaipu tem um papel importante na proteção da fronteira, por conta da binacionalidade da empresa. “É natural que uma margem da empresa se preocupe com a segurança na margem oposta. Temos um trabalho atuante na fronteira devido a nossa grande faixa de reservatório", explicou.

Segurança na fronteira

Único no País, o GGI/F PR foi criado em abril de 2011 para integrar as diversas forças de segurança que atuam diretamente no combate aos crimes transfronteiriços. Em 2018, entre as conquistas do Gabinete, destacam-se ações que resultaram na Operação Esforço Integrado, da Secretaria Nacional de Segurança Pública, para combater o crime organizado em 11 estados fronteiriços do País.

“Este tipo de gabinete é fundamental para a segurança. São em fóruns comuns que se trocam experiências e se discutem as ações. Com base nisso, é feito o planejamento da atuação dos diversos órgãos de segurança”, avaliou Carbonell.

Versão para impressão