Itaipu investe no incentivo à produção sustentável na região Oeste

Itaipu investe no incentivo à produção sustentável na região Oeste

10h42 - 19/07/2019

Em toda a região Oeste, pequenos produtores estão recebendo da Itaipu, por meio do Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável, uma série de cursos e instruções para implantarem em suas lavouras métodos de plantio que não agridam o meio ambiente. A iniciativa é feita por meio de uma parceria com a Cooperativa de Trabalho e Assistência Técnica do Paraná (Biolabore).

Entre os destaques está o município de Santa Tereza do Oeste, onde ocorrem treinamentos com o objetivo de incentivar a fruticultura. O último deles foi sobre o cultivo da amora preta, com aulas ministradas pela doutora e pesquisadora Alessandra Maria Detoni, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), e contou com participantes de Cascavel e Foz do Iguaçu. Esse foi o segundo de três treinamentos que preveem a oferta de conhecimento teórico e prático sobre as culturas de morango, amora preta e uva rústica.

O objetivo do curso é incentivar a produção sustentável nas lavouras. Fotos: João Vanderlei Eberhart

O curso faz parte de ações conjuntas entre a Itaipu Binacional, organizações de produtores, prefeituras e organizações regionais e estaduais, com o objetivo de contribuir para a segurança hídrica do reservatório com a redução do risco de contaminação das águas, diminuindo o uso de insumos e dejetos contaminantes.

Conservação de solo

Santa Tereza do Oeste vem se destacando como um dos principais pólos desses cursos. 

Em Santa Tereza do Oeste também é desenvolvido um projeto para a conservação de solo, ação feita em parceria com a Secretaria de Agricultura do município com recursos da Itaipu para conservação de solo e água. O projeto foi designado à Linha Guavirá, que revitalizou 8 km de estrada e instalou uma caixa de abastecimento para aplicação de defensivos agrícolas.

Paralelamente, houve emprego de recursos na conservação de solo em uma área de 450 hectares, com projetos feitos pela Biolabore, que está responsável pela avaliação de execução da obra, iniciada no dia 8 de julho.  Nesta parceria, as máquinas são disponibilizadas pela Administração Municipal. Os agricultores pagam o projeto e o município custeado pela Itaipu executa o restante.

“Esse é um dos focos da prestação de serviços da Biolabore, voltado a conscientizar os agricultores em fazer curvas de nível e proteger o solo da degradação hídrica, o que é de extrema importância para não deixar o modelo agrícola transportar solo e água diretamente para os rios e nascentes”, frisa Rafael de Souza Torezan, técnico em agropecuária da Biolabore.

Kits Feiras Agroecológicas

Com os kits, os produtores podem vender seus produtos e auxiliar ainda mais na renda familiar. 

Quanto à comercialização, uma forma de incentivo está voltada à entrega de nove "Kits Feiras Agroecológicas" aos feirantes do município. Cada um contém 1 barraca, 2 mesas, 2 banquetas, 4 caixas altas, 6 caixas baixas e 1 expositor. 

O Convênio Linha Ecológica, uma parceria entre Itaipu Binacional e o Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu, viabilizou a entrega de 220 Kits Feiras Agroecológicas para as organizações de agricultores familiares da região, segundo o gestor do Convênio, Mauri Schneider.

Destaque em Santa Tereza do Oeste 

Segundo o prefeito de Santa Tereza do Oeste, Elio Marciniak (Kabelo), esta ação é extremamente importante para o desenvolvimento de trabalhos com agricultores familiares e para diversificar a produção e comercialização. Aos agricultores, as barracas novas proporcionam melhores condições de manejo e chama atenção dos consumidores, o que consecutivamente traz mais renda e desenvolvimento agrícola para o município. 

O intuito da assistência técnica e da Secretaria de Agricultura, segundo Torezan, é formalizar uma associação que fique responsável pela feira, Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), municipal e produção ecológica de frutas e verduras do município.

Versão para impressão