DT atualiza sistema de controle de nível dos poços da barragem e casa de força

DT atualiza sistema de controle de nível dos poços da barragem e casa de força

11h23 - 18/11/2019

Elvis Eccel, Diego Souza Pereira (ambos da SMMG.DT) e Marcelo Alves Ferreira (SOCM.DT): trabalho integrado. Fotos: Rubens Fraulini.

A Superintendência de Manutenção (SM.DT) e a Superintendência de Obras (SO.DT) iniciaram uma nova etapa do processo de modernização dos poços de drenagem, com a substituição do sistema de controle de nível. O mecanismo antigo, formado por boias cerâmicas, ímãs e ampolas de mercúrio, será substituído por modelos digitais, compostos por sondas hidrostáticas. As sondas trabalham com sensores capazes de indicar o nível do poço por meio da medição da pressão da coluna de água.

A novidade vai alcançar os 23 poços espalhados pela usina, que cumprem diferentes funções. Alguns estão na barragem para receber a água de infiltração e da chuva. Outros, instalados na casa de força, acumulam a água utilizada nos equipamentos (principalmente nos sistemas de resfriamento), além da água dos condutos forçados, quando são esvaziados. São poços de drenagem, esvaziamento e anti-inundação.

Painel de controle e sonda hidrostática compõem o novo sistema que começa a ser implantado na usina.

Funciona assim: quando o nível de água do poço sobe, a chave, do tipo boia, comanda o painel que aciona as bombas. Desta forma, a água é bombeada e devolvida ao Rio Paraná, a jusante da usina. Quando o nível de água do poço diminui o suficiente, a boia comanda a parada da bomba.

O engenheiro Diego Souza Pereira, da Divisão de Manutenção de Equipamentos de Geração (SMMG.DT), explica que as sondas farão o mesmo papel das boias, porém, com mais confiabilidade. Segundo ele, o sistema antigo tem mais de 30 anos de uso e já há algum tempo começou a apresentar falhas. A mais comum é o travamento do mecanismo, impedindo a indicação correta do nível.

Diego Souza e Elvis Eccel explicam funcionamento da chave do tipo boia. Quando a água sobe, sistema comanda painel para acionar bombas.

Em muitos casos, quando isso acontece, é necessário retirar e desmontar o equipamento; levá-lo para a oficina; fazer o reparo; testá-lo em recipiente com água; e, finalmente, reinstalá-lo no poço. Um serviço que pode demorar um dia inteiro. “Mas aí tem um problema adicional”, observa Elvis Eccel (SMMG.DT), um dos responsáveis pela manutenção do equipamento. “Para testar em situação real, e ver se o mecanismo está mesmo funcionando corretamente, temos que esperar o poço encher. Em alguns casos demora até três dias para todo o trabalho.” Não é para menos: a capacidade de alguns poços é superior a dois mil metros cúbicos.

Conjunto antigo é composto por boias, imãs e ampola de mercúrio.

Detalhe da ampola de mercúrio. Metal pesado não será mais usado no controle de nível.

Testado e aprovado

Em 2016, a SMMG.DT e a Divisão de Engenharia de Manutenção Elétrica (SMIE.DT) começaram a estudar alternativas de modernização do sistema. Depois de muita pesquisa e troca de informações, a sonda hidrostática apareceu como a melhor opção. “É uma sonda que se apresentou confiável e muito precisa. As mesmas geram sinais determinando quando e quais bombas devem ser acionadas e quando devem parar”, explicou Diego.

Antes de bater o martelo, porém, e levar o modelo para toda a usina, foi necessário testar a solução. As equipes desenharam e montaram um protótipo, que foi instalado em um dos poços da casa de força. O modelo passou a funcionar em 2017, para um período de testes de um ano. Está lá até hoje. “Desde então, não houve nenhuma ocorrência de falha. O desempenho foi exatamente como esperávamos.”

Poços da cota 56 já receberam as novidades. Elvis Eccel avalia que manutenção dos novos controles de nível será muito mais rápida.

Sistema antigo instado em poços da cota 40. Renovação vai atingir toda a usina.

Teste aprovado, a implantação do novo sistema foi divida em etapas: processo de compra das sondas; especificação técnica dos novos painéis (fase que envolveu diferentes áreas da Diretoria Técnica); e, finalmente, aquisição dos painéis. “Os equipamentos chegaram no começo de setembro [de 2019] e iniciamos as fases de pré-comissionamento, montagem e comissionamento final”, diz o engenheiro.

Cronograma

A instalação já começou na barragem (que tem 9 poços) e depois seguirá para a casa de força (mais 14). De acordo com Diego, a expectativa é que até o final de abril de 2020 todo o sistema esteja modernizado. Cada poço receberá duas sondas, que trabalharão em duplicidade, ou seja, uma funcionará como backup da outra.

Diego Souza Pereira confere painel que comanda as bombas. Modernização vai reduzir falhas no controle de nível.

A Divisão de Montagem Eletromecânica (SOCM.DT) ficou responsável pela instalação dos equipamentos no campo, montagem do painel, instalação de eletrodutos, passagem e conexão dos cabos. “Cada poço tem suas particularidades, logo é necessário um planejamento detalhado das atividades, considerando as adequações necessárias, logística (transporte, iluminação do ambiente de trabalho, equipamentos e ferramentas) e ações para garantir a segurança do trabalho”, comenta Marcelo Alves Ferreira (SOCM.DT).

“O trabalho é desenvolvido por uma equipe de excelente capacidade técnica e coordenado com a equipe de manutenção, a qual realiza os ensaios após o termino da instalação, garantindo um sistema de alta confiabilidade”, completa.

Na cota 56, Marcelo Ferreira observa um dos canais que leva a água para os poços. "É necessário um planejamento detalhado das atividades", diz.

Elvis Eccel avalia que a manutenção do novo sistema será bem mais simples. “Todos os ajustes que fazíamos na antiga chave de nível não será mais necessário. No máximo vamos tirar uma sonda para limpeza e inspeção visual. O tempo [do serviço] vai diminuir muito.”

Outra vantagem da nova tecnologia é a não utilização de ampolas de mercúrio, como nos antigos contatos. Desta forma, elimina-se o risco de contaminação da água com um metal pesado.

O JIE publicou

Sistema de drenagem da usina passa por reforma e modernização

Versão para impressão