Que tal compartilhar um talento e ajudar quem precisa?

Que tal compartilhar um talento e ajudar quem precisa?

16h27 - 09/02/2018

Palestra de sensibilização em Foz do Iguaçu: voluntariado como ferramenta de transformação.

Você sabe cozinhar? Toca um instrumento musical? Gosta de contar histórias? Que tal fazer isso para tornar a vida de alguém um pouco melhor?

Esses foram alguns dos questionamentos que a consultora Giuliana Preziosi, da Conexão Trabalho, fez aos participantes da palestra de sensibilização “Virando o jogo: o voluntariado como ferramenta de transformação”, realizada na última quarta-feira (7), em Foz do Iguaçu, com transmissão para o escritório de Curitiba. O evento foi promovido pelo programa Força Voluntária.

Giuliana trouxe um pouco da experiência de quem passou 530 dias viajando pelo mundo buscando histórias de transformação de cunho social e ambiental. Segundo ela, hoje, muitas pessoas querem contribuir para um mundo melhor, mas é comum não saber o que fazer.

Atualmente, embora muitas vezes a doação (de alimentos, roupas ou dinheiro) ainda tenha um papel a cumprir, as pessoas querem se realizar por meio de ações, colocando “a mão na massa”. 

“O voluntariado do século 21 é um voluntário de propósito. As pessoas querem fazer a diferença, provocar um impacto que mude a realidade de quem recebe a ação”, explicou Giuliana.

Conforme pesquisas apresentadas por Giuliana, além de poder colocar uma talento a serviço de quem precisa, o voluntariado permite desenvolver habilidades que também contribuem para a carreira e a vida em geral, como o espírito de equipe, a liderança, a construção de valores e a cidadania.

Juliana Hellvig: integração maior do PIITs com as ações do Força.

Além de funcionários da empresa, a palestra também teve a participação de jovens do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho (PIIT). “Queremos uma aproximação maior entre as atividades do PIIT e do Força”, afirma Juliana Hellvig, que faz parte do programa.

Workshop

Ainda dentro do espírito de “por a mão na massa”, Giulina conduziu um workshop voltado a voluntários da empresa, na manhã de quinta-feira (8). A ideia foi que os participantes construíssem, coletivamente, uma atividade de voluntariado a ser desenvolvida junto a uma instituição de Foz do Iguaçu. 

Giuliana conduz workshop em Foz: colegas vão formatar ação voluntária de forma colaborativa.

Segundo Juliana Hellvig, mesmo quem não participou do workshop ainda pode participar se inscrevendo até o próximo dia 19 de fevereiro. A ideia é que a ação, que ainda está sendo discutida entre os participantes, seja desenvolvida em um fim de semana no mês de março. 

Patrícia Trintinella: retorno à atividade voluntária, pra participar diretamente das ações.

Para Patrícia Arantes Trintinella, da Superintendência De Segurança Empresarial (SE.AD), a participação no workshop foi um retorno ao Força. “Participei do Força de 2012 até 2014/2015. Então, parei e participava esporadicamente, na campanha da estrelinha, gincanas, mas não de fato da ação”, conta ela. “Para mim, está sendo uma experiência muito bacana, porque sempre tive vontade de fazer a ação, de estar ali, brincando com crianças, por exemplo, lendo histórias, fazendo algo de fato, não ficar somente na parte do planejar”.

Jaqueline de Oliveira: oportunidade para fazer e criar ações voluntárias diferentes.

Segundo Jaqueline Maisa de Oliveira, da Superintendência de Materiais (MT.DF), o workshop ajudou os voluntários que já participaram de outras atividades no passado sobre novas possibilidades de ações de voluntariado na empresa. “Eu acho que hoje estamos tendo uma oportunidade de fazer e criar coisas diferentes em relação ao trabalho voluntário. Quero propor a pintura de uma instituição que a gente percebe que realmente esteja necessitando e também a criação de uma horta comunitária, que é algo interessante que podemos fazer”, concluiu.

Versão para impressão