Reforma nos pórticos exige estrutura Cavalo de Troia para não atrapalhar manutenção

Reforma nos pórticos exige estrutura Cavalo de Troia para não atrapalhar manutenção

10h02 - 31/01/2018

Na Ilíada, obra clássica atribuída a Homero, um cavalo de madeira teria ajudado os gregos a superar as muralhas de Troia e botar fim à guerra. Inspirados pelo Cavalo de Troia, a Divisão de Montagem Eletromecânica (SOCM.DT) projetou uma estrutura de madeira para ser usada durante a reforma pela qual os oito pórticos de Itaipu estão passando. Com a cobertura ancorada no próprio pórtico, o equipamento pode continuar sendo utilizado pela Manutenção, sem a necessidade de ficar parado.

O "Cavalo de Troia" na Itaipu. Proteção de madeira fixa ao pórtico permitiu o seu uso enquanto ele passa por nova pintura.

Na manhã de segunda-feira (29), os profissionais da Divisão de Manutenção Mecânica de Serviços Auxiliares (SMMA.DT) colocaram o "Cavalo de Troia" para andar. O pórtico de jusante do Canal de Desvio, mesmo envolvido pelos tapumes de madeira, foi acionado para colocar as comportas stop-logs na saída da unidade geradora U18, que entrou em manutenção trienal no mesmo dia.

Na segunda-feira (29), o pórtico foi utilizado na manutenção da U18. Na cabine de comando, o colega Celso dos Santos (SMMA.DT) faz a descida da comporta enquanto é observado por Marcos Lessa (SMMA.DT).

“Só foi possível fazer este trabalho porque o pórtico pode ser movimentado com a estrutura montada”, comentou Marcos Lessa Fonseca (SMMA.DT), 30 anos de Itaipu e que sabe de cabeça o peso de cada comporta (87 toneladas). “Este pórtico é o único aqui do Canal de Desvio, não poderíamos fazer a manutenção destas unidades se ele estivesse indisponível para uso”.

Bruno Burille, Marcos Lessa, José Hanchuck e Ramón Acuña, da SMMA.DT, trabalham na colocação das comportas stop-logs.

Esta foi a primeira vez que o equipamento foi acionado em uma parada de máquina desde o início da reforma. No final do ano passado foi feito o primeiro teste de movimentação do pórtico com toda a estrutura montada, quando foram detectadas duas interferências na movimentação da estrutura. Após as modificações, que duraram dois dias, a movimentação do pórtico ficou perfeita. 

Reforma completa

Os oito pórticos de Itaipu (três de jusante e cinco de montante, sendo dois limpa-grades) estão passando por uma troca da pintura anticorrosiva. O tapume de madeira foi colocado em volta da estrutura para fazer o jateamento com granalha de aço. "A proteção serve para ajudar na coleta da granalha e reutilizá-la várias vezes", resume Dieison Ferreira de Souza (SOCM.DT).

Marcos Lessa entre Ronaldo Fonseca e Dieison de Souza, da SOCM.DT. Obras e Manutenção trabalharam juntos para que o reparo nos pórticos não os deixasse indisponíveis.

O jato de granalha retira a pintura antiga, de quase 40 anos, e “risca” a estrutura metálica para facilitar a aderência da tinta anticorrosiva de poliuretano ou epox que será aplicada na sequência. “Esta tinta vai proteger o pórtico por mais trinta anos”, complementa Manuel Ronaldo Fonseca (SOCM.DT).

O pórtico do Canal de Desvio já começou a ganhar a primeira camada de pintura anticorrosiva.

O trabalho coordenado pela SOCM.DT começou em 2016 e deve ser concluído até 2020. A reforma já foi concluída em dois pórticos de montante (um usado nas comportas stop-log e outro limpa-grade). Agora o trabalho acontece no pórtico do Canal de Desvio e, em seguida, nos Canais de Fuga.

Os técnicos já começaram a instalar a estrutura de madeira em outro pórtico de jusante.

Atualização tecnológica

Até outubro, os 8 pórticos e 16 das 20 pontes rolantes passarão por uma revisão ainda mais intensa. A atualização tecnológica das estruturas, um trabalho de três anos, será feita nas partes mecânica, elétrica e eletrônica, além de melhorar itens de segurança. Os painéis elétricos que, atualmente, ficam na parte de cima do pórtico serão passados para baixo, facilitando o seu acesso.

Segundo Nora, a atualização teconológica vai melhorar o trabalho da SMMA.DT.

“Os pórticos são muito antigos e algumas peças de reposição já não são encontradas com facilidade. A atualização tecnológica vai resolver alguns problemas frequentes e facilitar o nosso trabalho na colocação das comportas de manutenção nas paradas das unidades geradoras”, afirma o gerente da SMMA.DT, José Roberto Fagundes Nora.

Na crista da barragem, um pórtico de montante e um limpa-grade já passaram pela pintura.

Cavalo de Troia

A Guerra de Troia foi narrada na epopeia chamada Ilíada que, ao lado de Odisseia, é a maior obra do poeta grego Homero. Segundo a lenda, Troia era uma cidade fortificada, capital de um grande reino. Entre os anos 1.300 a.C. e 1.200 a.C., troianos e gregos estiveram em guerra porque Páris, filho do rei de Troia Príamo, raptou Helena, esposa do rei Menelau, de Esparta.

Reprodução do cavalo de madeira sendo levado para o interior das muralhas de Troia. Um verdadeiro presente de grego.

Por vários anos, os gregos cercaram as muralhas de Troia sem jamais conseguir passar por elas. Foi a astúcia do rei Ulisseus (ou Odisseu – Odisseia narra a volta de Ulisses à Ítaca) que virou o jogo a favor dos gregos. Fingindo desistir da guerra, eles deixaram um gigantesco cavalo de madeira em frente aos portões de Troia, como um presente aos vencedores. Os troianos levaram o cavalo para o interior da muralha. Mal sabiam que a estrutura estava cheia de soldados que, ao cair da noite, abriram os portões para o exército grego invadir e vencer a guerra.

Daí surgiu a expressão “presente de grego”, ou seja, um presente que ninguém quer. Não é o caso do Cavalo de Troia de Itaipu, diga-se.

Versão para impressão