Neoenergia e Votorantim Cimentos são as mais transparentes do país

Neoenergia e Votorantim Cimentos são as mais transparentes do país

08h23 - 30/01/2018

A Neoenergia, concessionária de energia elétrica, e a Votorantim Cimentos, do segmento de materiais de construção, obtiveram pontuação máxima e lideram o ranking “As 100 Maiores Empresas e os 10 Maiores Bancos Brasileiros”, da Transparência Internacional. 

O ranking avaliou o programa anticorrupção e a transparência organizacional das empresas. Os resultados mostram que a maioria delas possui desempenho insatisfatório. A nota média foi de 5,7, em uma escala de 0 a 10.

De acordo com a Transparência Internacional, nenhuma das 5 primeiras colocadas do índice está entre as 5 maiores empresas que atuam no país. Das 10 companhias mais bem colocadas, 4 pertencem ao setor de energia.

A pesquisa revela uma correlação entre transparência e abertura de capital. As companhias com ações negociadas na bolsa saíram melhor que as demais. “Os resultados sugerem que o maior rigor contábil a que elas são submetidas e a exposição mais frequente ao escrutínio dos acionistas favorecem a transparência”, diz o estudo.

A média da empresas de capital aberto é 7, único grupo que ultrapassa a média geral. Apesar do desempenho do conjunto, há empresas com desempenhos ruins, como Sabesp, Iochpe-Maxion e Energisa.

Em contrapartida, há bons exemplos entre as companhias de capital fechado, como Votorantim Cimentos, ArcelorMittal, Rede D’Or São Luiz e Azul Linhas Aéreas, cujas notas superam 8.

Na tabela abaixo, a relação e classificação das empresas. O leitor observará que Elektro, AES Eletropaulo, Heringer e Itaipu Binacional, que estão entre as 100 maiores do Brasil, ficaram fora do Índice Geral.

“Como não se identificaram subsidiárias dessas companhias, elas não pontuaram em uma das dimensões do índice, a de Transparência Organizacional”, explica o estudo.

O relatório revela ainda que das 100 empresas analisadas 48 não divulgam publicamente compromisso pessoal da alta liderança da companhia com o combate à corrupção.

O estudo defende que negócios transparentes podem ser fiscalizados com mais facilidade, monitorados com mais eficiência e cobrados com mais precisão. “Ser transparente faz parte da responsabilidade social das empresas.”

A exposição pública de políticas anticorrupção e de transparência, a prestação de contas e a estrutura de grupos empresariais são algumas das medidas iniciais para que o setor privado esteja em linha com as melhores práticas internacionais, explica o relatório.

Casos de corrupção revelados por operações como a Zelotes e a Lava Jato fizeram com que as empresas envolvidas e investigadas adotassem medidas de compliance (prática para garantir que leis e regulamentos sejam cumpridos). É o caso de companhias como a Odebrecht (7,5), a JBS (8,1) e a Embraer (8.8), que obtiveram notas acima da média.

“Quando uma empresa divulga em detalhes seu programa anticorrupção, assume 1 compromisso público: qualquer stakeholder (funcionário, cliente, investidor, regulador) terá elementos para verificar se a promessa está sendo levada adiante e exercer pressão para que isso de fato ocorra“, diz o relatório.

Fonte: Poder 360

Versão para impressão