Umuarama terá nova unidade de beneficiamento de frutas

Umuarama terá nova unidade de beneficiamento de frutas

08h58 - 04/01/2018

Pequenos produtores rurais de Umuarama, no Paraná, que atuam com fruticultura poderão contar com uma nova unidade de beneficiamento de frutas na região. O projeto foi desenvolvido durante a capacitação do Programa Regional de Formação Para o Desenvolvimento Econômico Local com Inclusão Social para o Brasil (ConectaDEL).
 
A iniciativa foi efetivada por meio da parceria entre o Instituto Federal do Paraná (IFPR), Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a Associação de Moradores da Estrada Jurupoca. O local escolhido para o projeto foi a Estrada Jurupoca, por ser uma Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Piava, manancial que abastece a cidade de Umuarama. 
 
Segundo uma das idealizadoras do projeto e professora do IFPR Campus Umuarama, Norma Barbado, os pequenos produtores da região não possuem muitas opções de renda devido às limitações impostas pela APA. “Em conversa, percebemos que a maior parte das famílias precisam buscar trabalho na cidade pela falta de alternativas na zona rural”, apontou. 
 
“Considerando que alguns já são fruticultores pensamos em criar uma opção de renda até para os períodos desfavoráveis, como em geadas e secas, pois podem produzir compotas, frutas cristalizadas, geleias que podem ser vendidas o ano todo”, ressaltou a professora. “Visando a permanência do homem no campo, pensamos em agregar valor aos seus produtos”, completou.
 
A cidade de Umuarama atualmente conta com a Feira Faísca de produtos orgânicos, promovida pela UEM. Após a implementação da unidade de beneficiamento, contou Norma, esses produtos serão inicialmente vendidos na feira e, à medida que a escala de produção aumentar, serão comercializados também em supermercados. “Há, ainda, planos para exportação, mediante a conquista do selo de produtos orgânicos”. 
 
A proposta foi uma das sete selecionadas do ConectaDEL para receber cofinanciamento da Itaipu Binacional e do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) para implementação. “O programa ConectaDEL foi fundamental, pois nos orientou desde a formação até o acompanhamento da proposta com um monitoramento da instalação da beneficiadora até a venda dos produtos”, avaliou Norma. 
 
A ação está atualmente na fase de planejamento, aguardando o repasse de recursos para reformas da unidade. O custo total do projeto é de R$ 76.600 mil, com 50% de cofinanciamento da Itaipu Binacional e o PTI. 
 
Expectativas
 
“De uma maneira geral, todos os projetos são muitos interessantes. São propostas que vêm ao encontro do que o Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) preconiza e que podem servir de exemplo para iniciativas semelhantes sejam desencadeadas nos demais municípios da região”, ressalta o gerente regional Oeste/Sudoeste da Empresa de Assistência  Técnica de Extensão Rural do Paraná (Emater), Paulo Taschetto.
 
O presidente do POD, Danilo Vendrusculo, considera que houve uma grande evolução nos projetos elaborados nesta edição do ConectaDEL, programa que é realizado desde 2013. Ele explica que as propostas ainda serão adaptadas e submetidas a uma comissão que irá fazer orientações e avaliá-las para receber os recursos para a implementação. A intenção, segundo ele, é que os resultados dos projetos sejam apresentados no V Fórum do POD, no final de 2018. “Acredito que vamos pegar o gancho desses projetos para promover uma aproximação muito maior com as academias e o setor produtivo. Será um 'case' para potencializar essa nossa meta”.
 
O gerente regional do Sebrae,  Orestes Hotz, reforça que o ConectaDEL vai possibilitar os sete projetos que foram selecionados para o cofinanciamento um “empurrão” inicial. “O ConectaDEL é um grande instrumento para o Oeste do Paraná, e vai proporcionar esse primeiro investimento nesses projetos, que, muitas vezes, acabariam não acontecendo por não ter um recurso inicial”. “Na sequência, conforme forem se estabelecendo, eles terão outras fontes de investimento”, complemento.

Fonte: PTI

Versão para impressão