Participantes de seminário do Fmase conhecem as ações ambientais de Itaipu

Participantes de seminário do Fmase conhecem as ações ambientais de Itaipu

16h17 - 01/12/2017

Grupo faz parada obrigatório no Mirante Central, de onde é possível ter uma ampla visão da barragem de Itaipu.

Depois de uma quinta-feira (30) intensa de atividades técnicas, os participantes do seminário “O futuro da relação: meio ambiente e setor elétrico”, organizado pelo Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico (Fmase), aproveitaram esta sexta-feira (1º) para conhecer um pouco mais de Itaipu e das ações que transformaram a usina em referência na área socioambiental.

Logo pela manhã, o grupo fez uma Visita Panorâmica ao complexo hidrelétrico, passando pelos mirantes Central e do Vertedouro, a cota 225, no topo da barragem, e a pista que passa ao lado dos condutos forçados das unidades geradoras.

A gerente do Departamento de Proteção Ambiental, Silvana Vitorassi, e o médico veterinário Domingo Fernandez dão as boas-vindas aos visitantes.

Em seguida, os participantes foram ao Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), onde assistiram a uma apresentação sobre os programas ambientais de Itaipu, feita pelo médico veterinário Domingo Fernandez, que trabalhou 28 anos na empresa.

A última atividade foi uma trilha no próprio refúgio biológico, com parada nos recintos das onças-pintadas e das harpias – Itaipu mantém o maior programa de reprodução desta espécie no mundo.

Grupo percorreu parte das trilhas do Refúgio Biológico Bela Vista, para conhecer um pouco do que é feito por Itaipu.

“Fantástico. Realmente fiquei muito impressionada com a preocupação com o meio ambiente, o cuidado, e as melhorias que aconteceram no entorno”, elogiou a advogada Renata Giacometti, de Curitiba, que veio a Foz para o seminário e visitou Itaipu pela primeira vez.

Ao conhecer os programas ambientais da binacional, Renata se lembrou da palestra do secretário executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Paulo Pedrosa, que é conselheiro de Itaipu. Na abertura do seminário, Pedrosa citou o caso da usina de Santa Isabel, no Rio Araguaia, que não saiu do papel por restrições ambientais. Hoje, a área do entorno, que deveria ter sido preservada, está degradada.  

Renata Giacometti, advogada de Curitiba, e José Hilário Portes, da Norte Energia: experiência que pode servir de exemplo.

“Aqui [na Itaipu] foi diferente de Santa Isabel. A usina foi implementada e teve todo um acréscimo de biodiversidade”, comentou Renta.

Para José Hilário Portes, da Norte Energia, as ações socioambientais de Itaipu são um modelo que deve ser seguido por outros empreendimentos do setor elétrico. A empresa é a controladora da usina de Belo Monte, no Rio Xingu (PA).

Pausa para tentar ver a onça-pintada, uma das atrações do circuito turístico do refúgio.

“Nós estamos começando o nosso trabalho em Belo Monte e quisera ter uma parcela dessa experiência [de Itaipu] aplicada lá. Tudo o que a gente está vendo aqui é um modelo que deu certo”, salientou Portes. Segundo ele, a Norte Energia pretende incrementar os intercâmbios com Itaipu na área de meio ambiente.

Sobre o seminário

O seminário “O futuro da relação: meio ambiente e setor elétrico” foi promovido pelo Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico (Fmase), com apoio de Itaipu Binacional, na quinta (30) e sexta-feira (1º), em Foz do Iguaçu (PR), reunindo mais de 200 especialistas, representantes de comunidades indígenas e profissionais ligados à gestão ambiental e ao setor elétrico.

Três exemplares de harpia, um dos maiores gaviões do mundo. Itaipu mantém programa de reprodução da espécie.

O JIE publicou

Especialistas debatem em Itaipu a relação entre setor elétrico e meio ambiente

Versão para impressão