Ação Solidária dos jovens do PIIT vai beneficiar Escola Alternativa, em Foz

Ação Solidária dos jovens do PIIT vai beneficiar Escola Alternativa, em Foz

14h50 - 07/11/2017


A Ação Solidária deste ano destinará doações para a instituição de atendimento a jovens e adultos com deficiência intelectuais e múltiplas.

Um grupo de adolescentes do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho (PIIT) realizou, na tarde de segunda-feira (6), uma visita à Escola Alternativa, em Foz do Iguaçu. A atividade é parte da programação da Ação Solidária desenvolvida pelo projeto com os jovens. Nesta etapa, eles foram conhecer a instituição escolhida para receber a arrecadação financeira recolhida entre os próprios PIITs (cada um deles doou R$ 30). O repasse das doações será ainda neste mês. Este foi o último dia de visita dos estudantes ao local – outras duas turmas estiveram na mesma escola no dia 1º, enquanto um terceiro grupo foi na manhã do dia 6.

Segundo o coordenador do PIIT, Vinícius Ortiz (RHDA.AD), a visita faz com que os jovens busquem soluções coletivas e criativas para os alunos.

Atualmente, a escola atende 126 alunos com deficiências intelectuais e múltiplas. Segundo o coordenador do PIIT, Vinícius Ortiz de Camargo, da Divisão de Seleção e Acompanhamento de RH (RHDA.AD), o público atendido pela entidade levou à escolha da instituição. "É preciso que os PIITs os reconheçam na sua diferença e os compreendam como sujeitos com direito à educação, ao trabalho, às relações afetivas e ao convívio comunitário."


A diretora da escola, Amabilis Regiani Luz, agradeceu a ajuda dos PIITs que, segundo ela, auxiliará na festa de fim de ano da instituição.

Durante a visita, os jovens do programa puderam conhecer toda a estrutura da instituição. A Escola Alternativa oferece educação básica, ensino fundamental, educação de jovens e adultos e ações para desenvolvimento de habilidades profissionais. Para a diretora da escola, Amabilis Regiani Luz, o apoio que os PIITs estão ofertando é de suma importância. “Vamos realizar a festa de fim de ano para alunos e familiares e precisamos de ajuda para que ela aconteça”, agradeceu.

Segundo Ortiz, a arrecadação está sendo finalizada e será definido, junto com a instituição, o que será comprado. “Vamos ajudar com itens para a festa e também para uso na escola”, disse. “A visita ajuda a conhecer outra realidade e a verificar qual é a necessidade do local”, completou.


Jennifer Bianca, da ENCA.DT, conta que a capacidade dos alunos de ler e escrever é o que mais lhe chamou a atenção.

A jovem Jennifer Bianca Ferreira Brito, da Divisão de Arquivo Técnico (ENCA.DT), diz ter adorado a atividade e ressaltou a importância da escola. “Os alunos precisam de ajuda e é muito bonito ver que eles aprenderam a ler e escrever com o apoio dos professores”, disse. “A nossa arrecadação vai ajudar, e muito.”


A história do "Boi de Mamão", lenda folclórica de Santa Catarina, foi encenada pelos alunos aos jovens do programa.

Para encerrar a visita, os jovens do PIIT assistiram a uma apresentação da história do “Boi de Mamão”, lenda do folclore no Estado de Santa Catarina que conta a morte e ressureição de um boi. Dois alunos da Escola Altermativa fizeram uma apresentação musical, que encantou os adolescentes de Itaipu.

A escola


Além do ensino regular, os alunos participam de oficinas, como a de panificação. A comercialização dos produtos é revertida para a escola.

Em funcionamento desde 2003, a Escola Alternativa oferece, além das atividades pedagógicas, oficinas de panificação, horticultura e artesanato em materiais recicláveis e biscuit - as iniciativas são para alunos acima de 16 anos. Todas direcionam os jovens e adultos para empregos legalizados em hospitais, supermercados, lojas e hotéis de Foz.

Cada aula é realizada de acordo com a necessidade da turma e conforme o diagnóstico do aluno. Na oficina de panificação, por exemplo, os participantes aprendem a produzir pizzas, pastéis e doces.


Daniela Cristina, coordenadora pedagógica, enfatizou que a escola busca mostrar que os alunos são eficientes mesmo com limitações físicas.

Segundo a coordenadora pedagógica na área de mercado de trabalho, Daniela Cristina Valvassori, um auxílio que a escola oferece aos alunos é a de vencer batalhas diárias, como ir ao banheiro, alimentar-se corretamente, entre outras pequenas atitudes. “São coisas simples para muitos de nós, mas muito significantes para eles. Ao vermos o que aprenderam, sabemos que estamos no caminho certo”.

Para Daniela, o grande trabalho da escola é mostrar que os alunos são capazes de trabalhar e realizar atividades diárias. “Deficiente, sem a letra D, vira eficiente. Queremos que todos saibam que nossos alunos são eficientes!”, completou.

Toda ajuda é bem vinda


Com 15 anos, Ana Paula adora estudar e ler. Sua colaboração pode ajudar alunos como ela.

A diretora Amabilis Luz ressaltou a importância da comunidade que contribui com a instituição. “Nós aceitamos todo e qualquer tipo de material, mas principalmente leite”. As doações auxiliam alunas como a Ana Paula, de 15 anos, que adora receber visitas. “Amo que venham ver a gente", disse a jovem, que diz gostar muito de ler e de estudar.

Para colaborar, basta entrar em contato com a escola, via a página oficial da escola no Facebook, ou levar suas doações diretamente na instituição. O local fica na Avenida Jules Rimet com a Avenida República Argentina, 5.435, bairro Morumbi 1.

Veja mais fotos da visita:

Versão para impressão