A pedido da Itaipu, Abrage deverá contar com comitê de segurança estratégica

A pedido da Itaipu, Abrage deverá contar com comitê de segurança estratégica

11h27 - 25/10/2017


Francisco Ronald Rocha Fernandes, da IN.GB, apresentou as atribuições da área e a relação da Itaipu com órgãos de inteligência.

Empresas do setor elétrico brasileiro estiveram reunidas em São Paulo, na quinta-feira (19), para discutir a criação de um comitê de segurança estratégica. O encontro foi promovido pela Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica (Abrage) e contou com a participação da Itaipu e do Centro de Estudos Avançados em Proteção de Estruturas Estratégicas (Ceape²), vinculado ao Parque Tecnológico Itaipu (PTI).

A necessidade do comitê surgiu após uma consulta da Assessoria de Informação da Itaipu (IN.GB) à Abrage em busca de empresas associadas para a troca de experiências. A ideia é que todas possam contar com áreas de inteligência para assessoramento do processo decisório em relação a temas estratégicos, em especial para a prevenção contra ataques cibernéticos, objeto de estudo do Ceape².


Encontro teve a participação de diversas empresas do setor elétrico. A ideia da criação do cômite veio da Itaipu. Na foto, Fernando Canesso (IN.GB).

Estiveram também no encontro representantes da AES Tietê, Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), China Three Gorges Brasil (CTG Brasil), Saesa, Light e Companhia Paranaense de Energia (Copel). Uma próxima reunião está prevista para dezembro, na Itaipu.

“Percebemos várias necessidades em comum entre as associadas, que vão garantir uma troca muito produtiva de informações sobre boas práticas", avaliou o chefe da IN.GB, Luiz Felipe Kraemer Carbonell.

O encontro possibilitou que a Assessoria de Informações apresentasse suas atribuições dentro da binacional, expusesse temas relacionados à inteligência estratégica e explicasse a relação da Itaipu com órgãos de inteligência e de segurança nacional. O Ceape² também apresentou seu trabalho no desenvolvimento de soluções de segurança, proteção e defesa de estruturas estratégicas.

Versão para impressão