Turismo festeja inclusão do aeroporto de Foz do Iguaçu no PAC 2

Turismo festeja inclusão do aeroporto de Foz do Iguaçu no PAC 2

08h26 - 30/03/2010

A inclusão das obras de reforma e ampliação do Aeroporto Internacional Cataratas na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC 2, do governo federal, foi festejada pelas lideranças do setor turístico de Foz do Iguaçu e região. O anúncio foi feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última segunda-feira, dia 29, em Brasília.
        
A reivindicação para incluir o aeroporto de Foz do Iguaçu no PAC 2 foi apresentada ao presidente Lula, a ministros de Estado e demais autoridades, no início de março, em documento assinado pelas principais entidades representativas do turismo regional, no qual pedem melhorias para atender, com conforto e segurança, à demanda crescente de passageiros. A Itaipu Binacional também assinou o documento.
  
     


Rachaduras nas pistas e falta de aparelhos de ar-condicionado são alguns dos problemas do aeroporto de Foz.
  
      
“O aeroporto tem importância estratégica para o desenvolvimento do turismo de Foz do Iguaçu e de toda a região da fronteira”, afirma o secretário municipal de Turismo de Foz do Iguaçu, Felipe Gonzalez, que comemorou a decisão do governo federal.
      


União que dá certo. Felipe Gonzales comemora a boa notícia do PAC, que prevê investimentos para o aeroporto de Foz.

        

Para o jornalista Gilmar Piolla, superintendente de comunicação social da Itaipu e presidente do Fundo de Desenvolvimento e Promoção Turística do Iguaçu – Fundo Iguaçu, a inclusão das obras de reforma e ampliação do aeroporto no PAC 2 é uma vitória do trade turístico regional. “Agora, esperamos que a Infraero dê prioridade a Foz do Iguaçu, pois somos o segundo destino preferido dos turistas estrangeiros que visitam o Brasil e a terceira cidade brasileira que mais recebe eventos nacionais e internacionais”, afirma.
       
Segundo ele, as obras previstas vão fortalecer o Destino Iguaçu, preparando-o para o futuro. “Nosso aeroporto precisa estar preparado para atender à demanda de passageiros, que está crescendo mais do que o dobro da média nacional e será potencializada com a chegada dos alunos e professores da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), e dos turistas que virão para cá durante a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016”, afirma.

            
Piolla e o trade turístico articularam uma campanha para a melhoria do aeroporto.
        

O presidente do Convention Visitors Bureau – ICVB, Camilo Rorato, diz que o novo aeroporto deverá estar à altura do que Foz do Iguaçu oferece aos visitantes, em estrutura turística e executiva.
    
Paulo Angeli, presidente do Conselho Municipal de Turismo – Contur, acredita que a ação integrada do trade turístico mostra a grande maturidade do destino Foz do Iguaçu. “Devemos pensar em preparar outros pontos turísticos além das cidades-sedes da Copa do Mundo e das Olimpíadas e, entre os destinos alternativos, Foz do Iguaçu certamente será um dos mais visitados”, diz Angeli.
            

Angeli: ação integrada do trade favorece o Destino Iguaçu.
     

        
O documento  

O documento que levou o governo federal a incluir o Aeroporto Internacional Cataratas nas obras previstas no PAC 2 foi encaminhado ao presidente da República e também à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff; ao ministro da Defesa, Nelson Jobim; a outros ministros de Estado; aos presidentes da Infraero e da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac); e a outras autoridades dos governos federal e estadual.
         
A primeira reivindicação do documento é a reforma e ampliação do terminal de passageiros. As propostas incluem a construção de uma nova sala de embarque doméstico, com aproximadamente 600 metros quadrados, e a ampliação da sala de embarque internacional. Também pede a ampliação da área de desembarque doméstico, com a instalação de novas esteiras para a restituição de bagagens, e a ampliação da área de check in, de 21 para 34 balcões.
    
Faz parte dos pedidos a melhoria das condições de recepção, entre as quais a climatização das áreas do saguão e do terraço; a duplicação da via externa inferior; a ampliação da área de estacionamento; a repaginação da área comercial; a construção de novo prédio para abrigar as empresas terceirizadas; e adequações de acessibilidade, entre outros.
    
Essas obras têm custo previsto de R$ 35 milhões.
              

Além de uma nova pista, o aeroporto deverá ganhar obras que vão melhorar a segurança e o conforto dos passageiros.

   

Aproximação e segurança

Uma outra reivindicação é para melhorar os equipamentos de aproximação e segurança do aeroporto, que hoje conta apenas com instrumentos limitados. A aquisição do ILS-CAT2 permitiria o pouso com visibilidade de apenas 400 metros da pista.
   
O valor estimado do ILS-CAT2 é de R$ 6 milhões.   
      
Nova pista

A pista atual, de 2.196 metros de comprimento por 45m de largura, restringe a possibilidade de pousos de aeronaves de maior porte. Para receber voos regulares, charters e cargueiros internacionais operados com aeronaves da família Airbus A-330/340 ou Boeing 747, seria necessário construir uma nova pista principal, de 3.450 metros de comprimento por 60 metros de largura.
    
O valor estimado para a desapropriação de área custaria R$ 10 milhões e o valor estimado para a construção de uma nova pista, de 3.450 metros, é de R$ 78 milhões.
     
Além dessas obras, o documento pede também medidas para incrementar o número de voos e a competitividade do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu.

      

Flexibilização tarifária

A primeira delas é a flexibilização das tarifas aeroportuárias e de navegação, pagas pelas empresas aéreas, operadores de aeronaves ou pelos passageiros. A proposta é equiparar as tarifas internacionais às de voos domésticos.
    
Segundo o documento, as tarifas atuais restringem a possibilidade de captação de voos regulares e charters internacionais, inibindo ainda as companhias aéreas de operarem rotas internacionais a partir de Foz, que enfrenta a concorrência de dois outros aeroportos internacionais na região – o Iguazú, na Argentina, e o Guarani, no Paraguai.
      
“Hub” do Mercosul

Por fim,o documento sugere a transformação do aeroporto em  “hub” do Mercosul, isto é, um centro regional de distribuição de voos dos países vizinhos – Argentina, Paraguai, Uruguai – membros do Mercosul -, além de Chile e Bolívia. O aeroporto está num ponto geográfico estratégico em relação a esses países. Como a grande maioria dos voos originados nos países sul-americanos é ocupada por pessoas com destino final no território brasileiro, a nacionalização desses voos em Foz permitiria uma conexão direta mais rápida com as cidades de destino.
       
A medida ainda ajudaria a evitar congestionamento nos aeroportos das grandes capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Versão para impressão