Seca põe Itaipu em estado de alerta

Seca põe Itaipu em estado de alerta

15h43 - 11/09/2007

O clima seco na região colocou em estado de alerta os brigadistas do Corpo de Bombeiros e da Divisão de Áreas Protegidas da Itaipu.

Cerca de 60 pessoas estão em prontidão para combater as chamas nas proximidades da barragem, ao longo das linhas de transmissão que levam a energia da usina até a subestação de Furnas e nas reservas e refúgios da entidade.

 


Capim seco representa ameaça às linhas de transmissão




No mês de agosto, os bombeiros registraram a ocorrência de sete focos de incêndio perto das linhas de transmissão, todos eles de pequeno porte.

“Foi um mês surpreendentemente calmo, mas a tendência é que o número de registros aumente entre setembro e novembro, quando há ventos fortes, sol e o capim está seco”, diz Ademar Lenzi, coordenador dos bombeiros.
    
Os bombeiros da Itaipu também monitoram as margens do reservatório localizadas no município de Foz do Iguaçu. A prioridade, no entanto, é assegurar a geração e a transmissão da energia.

 



No Refúgio Biológico Bela Vista, uma equipe de brigadistas da Divisão de Áreas Protegidas está de prontidão para controlar incêndios exclusivamente nas reservas e refúgios da Itaipu.
    
Montada em maio, quando clima começa a ficar mais seco, a Brigada de Incêndios Florestais tem o apoio de técnicos de prefeituras de municípios lindeiros, do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e voluntários.
    
Para atender as ocorrências, a Brigada dispõe de 10 camionetes equipadas com abafadores, bomba costal e água.

 


Fogo coloca em risco o Refúgio Maracaju



“Nossa tarefa é dar o primeiro combate ao fogo. Quando somos acionados, um brigadista vai até a área em chamas e nos comunica a gravidade do incêndio. Entramos em ação. E, se necessário, pedimos reforço”, explica a engenheira florestal Veridiana Pereira, coordenadora da Brigada.



Os brigadistas também realizam ações preventivas. Em agosto, brasileiros e paraguaios fizeram a queima controlada do capim seco das margens da BR-163, em Guaíra, de modo a evitar que a vegetação arda em chamas acidentalmente e coloque em risco o Refúgio Maracaju.



“Guaíra é o trecho mais crítico da faixa de proteção. São freqüentes os incêndios criminais e provocados pelo descuido de agricultores que fazem a queima controlada. Temos também o problema dos andarilhos que colocam fogo no capim das margens da estrada”, afirma Veridiana.

 



Brigadistas fazem queima controlada em Guaíra



Em Foz do Iguaçu, no último domingo, o risco iminente de incêndios quase se transformou em uma tragédia. Um incêndio de grandes proporções consumiu 20 hectares de uma área de mata localizada a menos de quatro quilômetros do Parque Nacional do Iguaçu, às margens da Estrada Velha de Guarapuava.



Energia



Enquanto a estiagem desperta preocupação com o fogo, a geração de energia está assegurada com tranqüilidade. A falta de chuvas afetou a afluência incremental da Bacia do Paraná, mas não interfere no nível do reservatório, que na manhã desta terça-feira (11) estava na cota 220,00 metros.



A afluência incremental está em 980 m3/s, bem abaixo da média de 2.300 m3/s. Dilton Goulart, técnico em hidrologia, diz que a situação está dentro do previsto. “Estamos no período mais seco do ano. É normal que os rios da bacia contribuam com menos água. As chuvas devem recomeçar somente em outubro. A situação deve se normalizar somente em janeiro”, estima.

 


Chuva, agora, só em outubro



Goulart afirma que a seca deste ano decorre do fenômeno meteorológico “La Niña”, que consiste no resfriamento do Oceano Pacífico. “A água do mar está mais frio. Isso diminui a evaporação da água. E, conseqüentemente, as frentes frias sobem em nossa direção com baixíssima umidade”, explica.


Segundo o Simepar, não há previsão de chuva em Foz do Iguaçu nesta semana. Já a temperatura pode chegar aos 37º graus.


Serviço



Quem avistar um incêndio em reservas e refúgios da Itaipu deve comunicar os brigadistas da Divisão de Áreas Protegidas pelo telefone (45) 9976-1854, inclusive nos finais de semana.

Versão para impressão