Futuro designer se despede do PTI

Futuro designer se despede do PTI

11h15 - 05/09/2007


    
Criatividade e disposição é o que não faltam para o estudante de desenho industrial Arian Brajkovic. Ele deixou a família na Cróacia para viajar por vários países, entre eles Itália, França, Paraguai, Argentina e Brasil, em busca de especialização profissional e para conhecer novas culturas e aprender outros idiomas.
Arian chegou ao Brasil em maio para estagiar no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), a convite do designer italiano Giullio Vinaccia, com quem fez estágio na Itália. Neste período, ele desenvolveu alguns produtos para o PTI e aproveitou para agregar novos conhecimentos profissionais ao seu currículo.
Agora, o croata se prepara para voltar para a Itália e dar continuidade aos estudos. Arian, que se despede do Brasil na próxima sexta-feira, afirma que levará muitas lembranças, novos amigos e, principalmente, mais uma experiência profissional e de vida.
“Foi uma experiência diferente das que já tinha vivenciado, pois, num curto espaço de tempo, conheci pessoas de diversas áreas e nacionalidades, o que me acrescentou uma carga cultural muito grande. Fico feliz em fazer parte da história do Parque”, disse Arian

Experiência Profissional
Arian é estudante do último ano de desenho industrial da Nova Academia de Belas Artes de Milão, na Itália. Antes de vir ao Brasil, ele trabalhou em uma gráfica com projetos 3D, além de desenvolver modelos de lâmpadas para uma empresa do Japão, em parceria com a academia em que estuda. Essas peças ficaram expostas em Tóquio.
Já em Foz do Iguaçu, ele desenvolveu produtos para o Programa Ñandeva e ajudou a modificar conceitos de peças para os artesãos que estiveram presentes no II Workshop do Ñandeva. Segundo a coordenadora do Programa Ñandeva, Ana Cristina Nóbrega, Arian trouxe à equipe uma visão diferente de designer de produtos.
Ele também desenhou alguns produtos para o Instituto de Tecnologia Aplicada e Inovação (Itai), como um modelo de carroceria para o projeto Baja, e desenvolveu a estética do robô que está sendo construído no Laboratório de Robótica.
Além das novas experiências profissionais, Arian não esconde a satisfação de ter sido bem acolhido por toda a equipe da Fundação PTI, em especial pelo diretor superintendente, Juan Carlos Sotuyo, pelo gerente do Programa de Formação e Capacitação de Recursos Humanos, Sandro Maria Porro, e pela coordenadora do Programa Ñandeva, Ana Cristina Nobrega.

Versão para impressão