A Gazeta do Iguaçu

A Gazeta do Iguaçu

08h22 - 04/09/2007

A Itaipu Binacional está concluindo o projeto de construção do Memorial do Barrageiro. O espaço será a nova atração do Complexo Turístico Itaipu e vai servir para homenagear os mais de 40 mil funcionários, brasileiros e paraguaios, que atuaram na construção da usina.

 

 

O atrativo será instalado em um barracão com dez salas no Parque Tecnológico Itaipu (PTI). O projeto, inédito na região, vai usar tecnologias de última geração para reproduzir sons, imagens, cheiros e movimentos do período do auge da construção da hidrelétrica. A previsão é que a obra fique pronta em um ano e meio.


Eles vieram de todos os cantos do Brasil e do Paraguai para construir a maior usina hidrelétrica do planeta. Alguns nem sonhavam com a dimensão da obra que mudaria definitivamente o futuro de brasileiros e paraguaios.

Para receber tanta gente Itaipu construiu três vilas residenciais (A, B, C) e um alojamento gigantesco para acomodar os trabalhadores solteiros, ou que vieram para a cidade sem as famílias.

“É exatamente em um desses galpões que acolheu os operários que será montado o memorial. Vamos buscar reproduzir o dia-a-dia dos barrageiros, mostrando como eles viviam, como eram os quartos, o ambiente de trabalho, as opções de lazer, como eram o dia e a noite deles. Vai ser quase um passeio virtual, uma coisa muito diferente do que temos hoje”, explicou a responsável pelo projeto, Sylvia Braga.


De acordo com ela, no projeto está previsto o uso de tecnologia de ponta para reproduzir os ambientes que darão ao visitante a impressão de estar fazendo uma viagem no tempo. “Vamos ter vários ambientes que mostrarão de forma interativa os vários períodos da obra, desde o seu início até a sua conclusão. O visitante vai poder tocar em alguns objetos e sentir a temperatura dos ambientes. São várias salas e em cada uma delas vamos projetar um momento da obra”, disse.


Para proporcionar uma melhor ambientação será usada tecnologia hightech em um corredor com pisos, paredes e teto em painéis LCD. As imagens do chão vão mudar para representar diferentes superfícies do canteiro de obras, como as rochas do leito escavado do Rio Paraná, areia e terra vermelha.


Além de sanitários novos, o turista poderá visitar o banheiro original, onde será surpreendido com as imagens de barrageiros “refletidas” no espelho, conversando e trocando comentários bem-humorados entre si.


“Queremos que o espaço tenha alegria. Não é para ser uma homenagem fúnebre. Até por isso, estamos estudando mudar o nome para Espaço do Barrageiro, já que memoriais são normalmente dedicados a pessoas que morreram”, afirmou Sylvia.



História
No novo atrativo haverá um espaço para homenagear os trabalhadores que morreram durante a construção da usina. Além disso, existirá também um ambiente para proporcionar o contexto histórico, com uma tela que vai mostrar notícias da época — do mundo, do Brasil e de Foz do Iguaçu.

“O visitante vai ser informado sobre quem era o papa da época, em qual tipo de governo os trabalhadores viviam”, contou.


Em outro ambiente, haverá um cinema (um dos principais entretenimentos dos trabalhadores na época), em que serão exibidas cenas da vida cotidiana, tanto do trabalho como do lazer: jogando futebol, fazendo música, participando de cultos religiosos, entre outras. E o quarto, além de mobiliário original, vai contar com pinturas em grafite e desenhos de autoria de trabalhadores.


À medida que o visitante percorre o circuito, os recursos se tornam mais modernos e interativos. “Como o memorial vai estar no PTI, um centro de produção de tecnologia, queremos, inclusive, que as empresas incubadas forneçam a maior parte possível das soluções empregadas. É por isso que não se trata de um simples museu. É um espaço onde Itaipu vai conscientizar os turistas sobre a importância do que o barrageiro fez pelo Brasil e pelo Paraguai”, finalizou Sylvia.

Versão para impressão