Gazeta do Iguaçu

Gazeta do Iguaçu

10h08 - 03/09/2007

Até agosto de 2008, milhares de atletas de diversas modalidades brigarão por uma vaga na olímpíada a ser realizada em Pequim, na China, ano que vem. 

Uma dessas competições acontecerá em Foz do Iguaçu, entre os dias 19 e 23, no Campeonato Mundial de Canoagem Slalom, no Canal de Águas Bravas da Itaipu Binacional. 

 

 

Durante esses cinco dias, cerca de 700 canoístas de 63 países de todos os continentes disputarão as melhores colocações, pois, só assim garantirão uma vaga na Olimpíada de Pequim/2008, ou seja, 60% das vagas olímpicas serão decididas nesse campeonato. 

Esta será a maior disputa de modalidade olímpica já realizada no Brasil. Ao final da competição haverá um show da Banda Capital Inicial, no Gramadão da Vila A.




Três confederações de canoagem, inclusive a brasileira, estão na cidade há alguns meses para treinar. As demais devem desembarcar ainda esta semana, a estimativa é que até sábado todas estejam em Foz do Iguaçu, pois os treinos oficiais para a competição devem começar nos próximos dias.




Dificuldade
Segundo a Confederação Brasileira de Canoagem, os canoístas vão precisar de muito preparo físico para aumentar o grau de dificuldade e acirrar a disputa.



A direção do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) comprometeu-se a manter o nível de água do reservatório de Itaipu, acima da chamada cota 219. Porém, isso dependerá, no entanto, exclusivamente das boas condições climáticas ao longo do lago.



Com a manutenção do nível, o volume de água em trânsito pelo Canal de Águas Bravas deve permanecer entre dez e 12 metros cúbicos por segundo. “Tal elevação significa mais dificuldades na extensão do percurso, o que exigirá esforço redobrado dos atletas, elevando o nível das competições”, disse Argos Rodrigues, superintendente da Confederação Brasileira de Canoagem.




O brasileiro de Piracicaba (SP), Filipi de Souza, na seleção brasileira desde 2001, mesmo com as dificuldades tanto do canal como dos demais competidores, disse estar otimista. Ele conseguiu o segundo lugar por equipe no campeonato Pan-americano em abril, agora, está se dedicando a ficar entre os primeiros novamente e seguir para o ouro olímpico em 2008. “O meu objetivo é concorrer na olimpíada. E o sonho é conquistar uma medalha”, disse. Para conseguir atingir as metas, ele passa boa parte do dia no canal de Águas Bravas.





Tem chance
O técnico da seleção brasileira, Alain Jourdant, acredita que dos nove canoístas brasileiros, pelo menos dois consigam uma vaga para Pequim. “No campeonato mundial, acreditamos que pelo menos 50% dos barcos brasileiros cheguem à semifinal e dois consigam a vaga já em setembro”, relatou.





Canal
O Canal de Águas Bravas é considerado um dos melhores circuitos de canoagem em todo o mundo, tanto pelos organizadores como pelos próprios atletas.



O motivo é que ele possui níveis elevados de obstáculos, similares às principais pistas artificiais da Europa. O canoísta venezuelano José Calasancz, está na cidade desde o final de julho. Ele contou que no país dele, os atletas precisam treinar em rios, então, poder praticar numa pista como a de Itaipu é muito bom.

Versão para impressão