Risco de contrair Doença de Chagas pelo Açaí

Risco de contrair Doença de Chagas pelo Açaí

09h55 - 03/09/2007

O senador Augusto Botelho (PT-RR) alertou, em discurso no Plenário  nesta sexta-feira (31), sobre o risco existente de se contrair Doença de  Chagas por meio do consumo da polpa do açaí. O senador afirmou que tanto o  inseto que transmite a doença, o barbeiro, quanto as fezes dele podem ser  inadvertidamente triturados junto com a fruta, deixando assim a polpa  contaminada.

Augusto Botelho destacou que existem hoje seis milhões de brasileiros  infectados com a doença e que surgem, em média, 33 mil novos casos a cada  ano. Embora a forma mais comum de contaminação seja a picada do inseto, de  acordo com o senador, um surto da doença relacionado ao consumo do açaí  vem ocorrendo no Pará, onde 36 pessoas contraíram a doença e uma morreu. 

- Isso é uma coisa grave, porque, nessa infecção pela via digestiva, o  Trypanosoma cruzi se torna mais agressivo, se reproduz com mais  facilidade, e a doença se torna mais grave e fatal - afirmou.

Botelho pediu que as pessoas tomem o cuidado de verificar a procedência  da polpa de açaí que consomem. Sugeriu também a necessidade de os  produtores adotarem medidas de higiene na confecção da polpa da fruta,  como, por exemplo, mergulhar o açaí em água quente antes de extrair a  polpa.

- Parte das indústrias, felizmente, já se comprometeu a pasteurizar o  açaí para eliminar as bactérias e evitar o Mal de Chagas. Os batedores  artesanais de açaí também devem preocupar-se com a higiene do produto que  vendem - disse.

O senador contou que as vigilâncias sanitárias municipais e estadual de  Roraima e o Ministério da Agricultura estão fiscalizando a comercialização  do produto e um laboratório está realizando análises das polpas recolhidas  no estado.

Botelho homenageou ainda o 35º aniversário da Rede Amazônica de  Televisão, segundo o senador, a maior emissora de televisão da Região  Norte.

Neli Rover

 

Versão para impressão