Oncinha-macho é batizada de Valente

Oncinha-macho é batizada de Valente

15h03 - 31/08/2007


     
Depois de três semanas, chega ao fim o suspense que mexeu com a imaginação de leitores e leitoras que não só sugeriram, mas também votaram na campanha “Vamos dar nome à oncinha”. 
         

Depois de uma disputa acirrada, uma comissão julgadora (foto acima) - formada por diversas áreas – votou hoje entre os dez finalistas, mas não conseguiu chegar a um resultado final. Coube aos leitores e leitoras decidir entre Valente e Afonso, o onço, - os mais votados- através de uma enquete feita há pouco pelo JIE. E Valente ganhou disparado.

      

Valente chegou ao Refúgio Biológico Bela Vista faz três semanas. Ele foi encontrado abandonado numa fazenda na divisa entre Mato Grosso do Sul e São Paulo e encaminhado pela Polícia Ambiental ao centro de recuperação de animais silvestres em Campo Grande. No novo lar, a oncinha-macho, de aproximadamente seis meses, não tinha nome. Para resolver o impasse, a Itaipu promoveu uma campanha dirigida aos empregados para escolher o nome do filhote. 
      

Durante duas semanas, os leitores e leitoras enviaram mais de 265 sugestões. Dessas sugestões foram escolhidos dez nomes finalistas, através de votação. A campanha recebeu mais de 300 votos. Ficaram para a final os nomes de  Valente, Afonso, o onço, Piatã, Cidão, Nicki, Cauã, Cauê, Simbá e Pepito. 
            

Hoje, por volta das 11h, uma comissão formada por cerca de 20 pessoas  optou pelos nomes  de Valente e "Afonso, o onço". Agora, às 15h, quando a enquete foi encerrada, num total de 153 votos, Valente recebeu 125 votos e "Afonso, o onço", teve 28.




População de onças aumenta

     
Mas essa semana não foi só a campanha da oncinha-macho que ganhou a atenção dos leitores e leitoras de Itaipu. O Refúgio Biológico Bela Vista recebeu na quarta-feira no final da tarde mais um exemplar de onça-pintada. É o Tonho, um macho adulto, de 12 anos de idade, que fará par com Juma, de 14 anos. O felino veio do zoológico das Centrais Elétricas de São Paulo (Cesp) em Ilha Solteira. Em função de seu porte (tem 90 quilos), ganhou o apelido de Tonhão em seu novo lar.  
       

Depois dos testes, Tonhão passará para um recinto de 1.200 metros quadrados, ao lado da Juma, onde terá contato com ela somente pela visão, audição e olfato. O "casamento", mesmo, só ocorrerá quando a Juma estiver no cio. "O manejo desses animais será semelhante ao que ocorre na Natureza. Depois do acasalamento, eles serão separados novamente. O recinto já foi construído com esse propósito", explica o veterinário Wanderlei de Moraes.
      

A maturidade sexual das onças ocorre entre os dois e os 18 anos de idade. Em cativeiro, normalmente, esses animais vivem 25 anos. Se o casamento de Juma e Tonhão der certo, quem sabe o filhote deles poderá receber então o nome de "Afonso, o onço".  

Versão para impressão