Canal energia

Canal energia

08h28 - 30/08/2007

A Empresa de Pesquisa Energética entregará nesta quinta-feira, 30 de agosto, ao Ministério de Minas e Energia uma nota técnica que especifica o cálculo do custo do despacho de térmicas a gás natural liqüefeito com aviso prévio de 60 dias, no âmbito do leilão de energia nova A-5. O documento servirá de base para a elaboração da sistemática do leilão, previsto para o dia 3 de outubro.

Segundo o presidente da EPE, Mauricio Tolmasquim, a fórmula permitirá saber qual será o valor que será pago a mais pelo consumidor pela operação com a comunicação prévia e seus riscos associados. O despacho com solicitação formal prévia era um pleito de empreendedores do segmento térmico que utilizarão o GNL como combustível e que pretendem negociar energia no leilão A-5.

Como o fornecimento do GNL tem prazo de entrega de 60 dias, a Petrobras embutia no custo do insumo um hedge que, repassado pelos agentes térmicos, inviabilizava a participação das usinas nos leilões - nenhuma delas participou do A-3, em julho. Com a medida proposta pela EPE, haverá a definição de um sobrecusto, que compensará o benefício de as térmicas despacharem de forma antecipada e os riscos da operação, como o vertimento de reservatórios.

Tolmasquim, que participou nesta quarta-feira, 29, de seminário no Congresso Nacional sobre aquecimento global, destacou que o sobrecusto será considerado no cálculo da receita fixa das térmicas, o que reduzirá a margem delas, em vez de ser repassado ao Custo Variável Unitário. Na prática, admitiu Tolmasquim, as térmicas poderão perder um pouco de competitividade. Porém, segundo ele, mesmo com esse detalhe, as usinas poderão participar do leilão.

Partindo do princípio de que o preço-teto do A-5 seja de R$ 140 por MWh - o mesmo valor do A-3 - as usinas seriam consideradas viáveis. Além da nota técnica, contou, a mudança do regime de despacho de térmicas a gás resultará em uma minuta de resolução, que será elaborada pela Agência Nacional de Energia Elétrica e colocada para audiência pública.

 

Versão para impressão