Conheça a Divisão de Manutenção Eletrônica

Conheça a Divisão de Manutenção Eletrônica

09h14 - 29/08/2007

 

Divisão de Manutenção Eletrônica

 

Responsável pela Divisão: Paulo Roberto Castro de Carvalho

 

 

A Divisão de Manutenção Eletrônica, dentro do Departamento de Manutenção, da Superintendência de Manutenção, é responsável por manter todos os sistemas eletrônicos da usina. Ao todo, trabalham na área 76 colegas, brasileiros e paraguaios, incluindo os estagiários. "Normalmente, o trabalho é realizado em horário comercial, mas algumas vezes é necessário executar determinadas atividades à noite ou de madrugada, quando não há problema em interromper a geração ou a transmissão de energia elétrica", explica o gerente da divisão, Paulo Roberto Castro de Carvalho.

A divisão compreende quatro setores: de Proteção, de Regulação, de Comunicação e de Automação.

 

Proteção

Responsável: Gilberto Ortiz Calcena

O setor de Proteção trata de uma parte muito delicada da usina: a Proteção do Sistema Elétrico de Potência. 
Este setor desenvolve atividades de manutenção preventiva e corretiva, além de executar o comissionamento nos equipamentos dos sistemas de proteção (eletromecânicos, estáticos e digitais) e o controle das 20 unidades geradoras, das linhas de transmissão e barras em 500kV, 220kV, 66kV, 23kV - 50/60Hz. 
Também são de responsabilidade da Proteção os bancos de transformadores monofásicos, transformadores trifásicos, Geradores Diesel de Emergência, relés de proteção de serviços auxiliares, equipamentos associados aos sistemas de controle e sinalização da sala de controle centralizado (CCR) e os esquemas de controle de emergência do sistema interligado em 220kV, 500kV e 765kV.

Os relés de proteção são uma parte vital para qualquer sistema elétrico de potência. São quase desnecessários durante uma operação normal, mas muito importantes durante problemas, faltas e distúrbios. 
Devidamente aplicados, os sistemas de proteção iniciam desconexões de áreas com faltas e problemas, enquanto a operação e o serviço permanecem normais no restante do sistema.

É necessário que todos os empregados tenham conhecimento de todos os equipamentos envolvidos na geração, transmissão, distribuição e utilização de energia elétrica. 
Também exige-se uma compreensão da performance do sistema elétrico tanto durante um regime normal quanto durante faltas e condições anormais de funcionamento.

Os sistemas de proteção têm o objetivo de manter um alto grau de continuidade no serviço e, quando condições intolerantes acontecerem, minimizar o tempo de indisponibilidade de equipamentos e sistemas, assim como diminuir possíveis danos.

Regulação

Responsável: Juan Carlos Rodriguez Chaparro

Regulação é a ação de manipular controles de equipamentos de maneira que seu parâmetro de saída permaneça constante em um determinado nível, fazendo frente às variações de quaisquer outros parâmetros que influenciam no processo.

Por exemplo, se você deseja viajar de carro a uma velocidade (parâmetro de saída) constante de 80Km/h, você terá que manipular o acelerador do carro (controle), acelerando mais nas subidas (variação de parâmetro) para que a velocidade não caia e desacelerando nas descidas (outra variação de parâmetro) para que a velocidade não aumente.

No caso específico da regulação das unidades geradoras, os parâmetros a serem mantidos são tensão e freqüência de saída, parâmetros que determinam a qualidade da energia elétrica. Assim a variação destes parâmetros compromete a qualidade e confiabilidade da energia, cujos padrões são cada vez mais rígidos, atribuindo aos reguladores relevância vital no processo de geração de energia elétrica.

O setor de Regulação é responsável pela manutenção dos seguintes equipamentos: regulador de velocidade da turbina (TGC), controle conjunto de velocidade (JTC), regulador de tensão (EC), controle conjunto de tensão (JVC), oscilógrafos, registradores de perturbações período dinâmico, pontes rolantes, gruas e pórticos, reguladores do grupo díesel, sistema de iluminação monumental, sistema de detecção anti-incêndio da casa de força, barragem e subestação da Margem Direita.

 

Comunicação

Responsável: Carlos Felipe V.F. Moreira

No setor de Telecomunicações, trabalham 18 profissionais com conhecimentos e experiências multidisciplinares. Sua eficiência e qualificação permitem realizar a manutenção em aproximadamente 700 equipamentos cadastrados no SOM (Sistema de Operação e Manutenção).

Este setor realiza manutenções nos seus equipamentos, que mantêm o intercâmbio entre Itaipu e seus clientes – Ande e Eletrobrás. Atende, também, outras necessidades de comunicações de ordem operativa, que devem funcionar corretamente, para garantir o bom desempenho da empresa como um todo.

O setor de Telecomunicações realiza manutenção nos sistemas operativos e nos sistemas administrativos.

Os sistemas operativos são aqueles cuja indisponibilidade pode comprometer a geração e transmissão da energia de Itaipu. Como exemplo, tem-se os sistemas usados para transmissão de dados, voz e telecomandos para abertura ou fechamento remoto dos disjuntores de alta tensão em caso de falhas das Linhas de Transmissão.

Os sistemas administrativos são os destinados a dar suporte à administração da Central Hidrelétrica em geral, como por exemplo o Sistema Telefônico da Área Industrial.

 

Automação

Responsável: Hugo Acelmidio Laranjeira Duarte

O setor de Automação é responsável por realizar os trabalhos de administração, manutenção e desenvolvimento dos sistemas digitais incorporados pela Itaipu para acompanhar o avanço tecnológico.

Automação Industrial é o uso de sistemas e elementos computadorizados para controlar máquinas e processos industriais. Visa, principalmente, a produtividade, qualidade e segurança em processo. Contempla, também, a integração com outros sistemas empresariais.

O profissional de automação precisa ter uma visão multidisciplinar – algo indispensável ao processo de automatização – e com capacidade de utilizar adequadamente as novas tecnologias.

 

 

 

 

 

Versão para impressão