Ministro da Pesca elogia Itaipu

Ministro da Pesca elogia Itaipu

09h37 - 27/08/2007
 
O ministro Altemir Gregolin, da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (Seap), da Presidência da República, disse que “Itaipu é a empresa que tem a melhor política de aqüicultura e pesca do setor hidrelétrico brasileiro”.
 
A afirmação foi feita sexta-feira, em São Miguel do Iguaçu, no encerramento do 1º Encontro das Colônias de Pescadores do Estado do Paraná.
O ministro Gregolin veio à região também para conferir os resultados do Convênio 1001/2004, entre a Seap e a Itaipu, com investimento de 
R$ 718.690 (R$ 541.000 a cargo da Seap e R$ 177.3690 a cargo da Itaipu). 

O encontro
Cerca de 300 pescadores participaram do encontro, promovido pela Federação dos Pescadores do Paraná e prefeitura de São Miguel do Iguaçu, com apoio do projeto de Itaipu ‘Mais peixes em nossas águas”, que faz parte do programa Cultivando Água Boa.
 
Itaipu foi representada por Joel de Lima, assistente do diretor -geral brasileiro, além de outros empregados, como Pedro Tonelli. 
Os pescadores apresentaram várias reivindicações ao ministro Gregolin. Uma delas, a de que o governo, pela via diplomática, tente convencer a Argentina e o Paraguai a construir um canal que permita aos peixes transpor a barragem da usina de Yaciretá, de jusante para montante, a exemplo do que ocorre no Canal da Piracema de Itaipu.
  
O ministro Gregolin  afirmou que, historicamente, a categoria dos pescadores nunca foi incluída nos projetos de desenvolvimento do país, mas que, no governo Lula, está “efetivamente na pauta das políticas públicas”. 
 
O ministro enumerou sete questões que considera fundamentais para o desenvolvimento sustentável da aqüicultura e pesca no Brasil:
•      reconhecimento de que a pesca é importante para o Brasil. O setor produz 1 milhão de toneladas de peixe por ano, gera 3,5 milhões de empregos e movimenta 5 bilhões de reais por ano;  
•      reconhecimento de que o Brasil tem um potencial pesqueiro como poucos países têm, pela quantidade de águas marítimas e continentais, além da quantidade de lagos de usinas hidrelétricas, como Itaipu; 
•      a política do governo para a pesca está centrada na geração de trabalho e renda;
•      sustentabilidade é fundamental; significa preservar o estoque pesqueiro e o meio ambiente;
•      não basta pescar; é preciso: cultivar peixe (aqüicultura); infra-estrutura; beneficiamento; comercialização; incentivo ao consumo (no Brasil, o consumo de peixe per capita é de 7 kg/ano, enquanto o mundial é de 16);
•      fortalecimento das organizações dos pescadores para discutir os problemas, reivindicar, criticar e propor;
•      política pública para o setor tem de ser duradoura, de longo prazo. 
 
O ministro visitou o parque aqüicola do reservatório.
Versão para impressão