Usina de lodo e resíduos está perto de gerar energia em SJP

Usina de lodo e resíduos está perto de gerar energia em SJP

08h25 - 20/02/2018

Fonte: Metro Curitiba

Uma tecnologia inédita no país está próxima de se tornar realidade na Grande Curitiba. A usina de biogás da CS Bioenergia, formada pela Sanepar e pelo grupo Cattalini Bio Energia, deve muito em breve gerar energia elétrica a partir da combinação entre lodo de esgoto e resíduos orgânicos (algumas usinas no país já produzem energia elé- trica a partir da biodigestão de lixo orgânico e outras de dejetos de animais). Neste mês, a usina recebeu a licença de operação do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e agora aguarda apenas a autorização da Copel, uma vez que a regulamentação da Aneel (Agência Nacional de energia elétrica) também já saiu, segundo a presidente da CS Bioenergia, Fabiana Campos. “Estamos na expectativa da interligação com a rede de distribuição da Copel. Segundo eles deve sair até o final do mês de março”, declarou. Desde junho do ano passado, a usina já recebe cerca de 900 m3 de lodo de esgoto por dia da estação de tratamento Belém, da Sanepar, que é vizinha do empreendimento, na divisa do bairro Boqueirão, na capital, com São José dos Pinhais. Neste ano, o local também passou a receber resíduos orgânicos da Ceasa (Centrais de Abastecimento do Paraná). Por dia, são aproximadamente 40 toneladas que antes iam para um aterro sanitário. “O bom dos resíduos de lá é que já vem separados, mas o que for preciso separar, de outras fontes, vamos fazer na planta”, disse. De acordo com Fabiana, além da Ceasa os resí- duos também virão de outros grandes geradores, como praças de alimentação de shoppings, supermercados e grandes redes de alimentação. A capacidade da usina é de até 300 toneladas diárias. Na prática, a operação nascida de uma necessidade da Sanepar propõe uma solução sustentável para descarte de dois passivos ambientais e ainda abre caminho para uma nova energia limpa. Atualmente, como ainda falta o último passo para a distribuição da energia, a usina funciona para o tratamento dos resíduos e faz a queima do biogás gerado. Quando puder gerar a energia para si mesma e alimentar a rede, a usina terá capacidade de 2,8 MW (mega-watts) em um primeiro momento, suficiente para abastecer duas mil residências populares. O valor aproveitado pela Copel será abatido da conta de luz da Sanepar. No futuro a usina pretende dobrar a capacidade, para 5,6 MW.

Expansão

Com o bom andamento da usina na RMC, a CS Bioenergia já planeja novas usinas em outras cinco regiões do Estado. “Primeiro estamos organizando a constituição de um consórcio intermunicipal no Oeste, com a Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), para tratar lodo de todos em uma usina possivelmente em Toledo”, revelou Campos. As outras futuras devem se concentrar em regiões com grande potencial de lodo e resíduos, como Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Guarapuava.

Versão para impressão