Segurança de barragens: Ceasb completa 10 anos nesta semana

Segurança de barragens: Ceasb completa 10 anos nesta semana

11h11 - 01/03/2018

Pesquisadores, bolsistas, coordenadores do Ceasb reunidos para a confraternização do centro. Crédito da foto: Igor Moresca/PTI.

O Centro de Pesquisas Avançadas em Segurança de Barragens (Ceasb), do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), completou dez anos de existência nesta quarta-feira (28). Neste período, mais de 700 pessoas - incluindo 22 doutores - foram formadas em segurança de barragens pelo centro, onde foram desenvolvidas uma série de pesquisas e de soluções para usinas, principalmente para a Itaipu Binacional.

Os trabalhos aumentam a compreensão dos fenômenos da barragem e das turbinas e colaboram para o aumento da segurança e da vida útil dessas estruturas. As simulações, feitas em computadores de alto desempenho do laboratório do Ceasb, baseiam-se nos dados fornecidos pela Itaipu para promover a atualização tecnológica da hidrelétrica.  

“Muito foi realizado nesses 10 anos. Foram desafios muito grandes, mas já temos muitas entregas dentro da usina que vieram a contribuir para o próprio empreendimento da Itaipu”, afirmou o coordenador do Ceasb pela Itaipu, Dimilson Pinto Coelho, engenheiro da Divisão de Engenharia Civil e Arquitetura (ENCC.DT). “Agora almejamos atender não somente a usina, mas desenvolver o mesmo trabalho que fizemos para Itaipu também para outras empresas", afirmou Dimilson. As parcerias externas devem contribuir para o crescimento do Ceasb, na análise do coordenador.

“Os alunos, pesquisadores e técnicos que desenvolvem suas pesquisas aqui podem contribuir não só com a Itaipu, mas com outras usinas no Brasil ou no exterior”, disse a coordenadora do Ceasb pelo PTI, Alexandra da Silva Belini. “Isso faz o impacto do nosso cuidado no território trinacional ser ampliado para a região Oeste e o País como um todo”, completou.

Pesquisa e Desenvolvimento

O Ceasb atua em oito linhas de pesquisa que atendem às demandas da Itaipu. São elas: Modelagem Tridimensional; Análise de Risco; Monitoramento da Saúde Estrutural; Cadastro de Barragens; Geotecnia; Instrumentação de Barragens; Concreto; e Aplicações e Desenvolvimento de Tecnologias Inovadoras em Usinas Hidrelétricas.

Em cada uma das linhas, professores e alunos desenvolvem metodologias, serviços ou produtos à Itaipu e outras usinas. O Ceasb fornece todos os recursos financeiros necessários para os projetos de pesquisa que podem ser teóricos ou não. A ideia é que os trabalhos contribuam com as universidades e ofereçam ao aluno de graduação a experiência prática e de interação com o orientador ou orientadora. Vários profissionais que atuam na orientação são engenheiros da Itaipu.

Por meio do Centro, foi feita a formação de doutores, por meio do Programa de Doutorado em Métodos Numéricos, aplicados à Segurança de Barragens, iniciativa pioneira no Oeste do Paraná. “Foi um grande resultado para nossa região. Esses doutores são pesquisadores que hoje continuam seus projetos e estudos de suas teses aqui conosco”, comentou Alexandra.

Experiência Profissional

Para o bolsista boliviano Miguel Angel Reis Rios Chuquichambi, que faz parte da equipe do Centro por meio da sua graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), os três anos de experiência no Ceasb o auxiliaram a compreender melhor os conteúdos aprendidos em sala de aula. “Aprendi mais sobre os projetos, como funcionam as estruturas e quais materiais são necessários para construí-las”, comentou.

Há um ano como voluntária do Ceasb, Nathali Rolon Dreher, disse que já pôde perceber os benefícios da prática profissional. “Minha expectativa é aprender o máximo possível para chegar ao mercado de trabalho mais preparada na área de Modelagem e, mais adiante, na área de Simulação”, destacou estudante do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Versão para impressão