Primeiro emprego: PIIT recebe 46 jovens para jornada em Itaipu

Primeiro emprego: PIIT recebe 46 jovens para jornada em Itaipu

15h19 - 20/11/2017


Ao lado dos pais, os adolescentes receberam orientações sobre as relações na família e no trabalho.

Com um olhar atento e a expectativa de como será, para maioria, o primeiro emprego, os 46 novos adolescentes do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho (PIIT) participaram, de segunda (13) a sexta-feira (17), da Semana de Integração – Novembro 2017.

A programação incluiu palestras e visitas técnicas. Na quinta (16), no Centro de Treinamento, acompanhados dos pais, os jovens receberam orientações sobre relações interpessoais, afetivas e sustentáveis no âmbito familiar e do trabalho, além de conhecerem um pouco mais sobre como funciona o programa.


Para Vinícius Ortiz de Camargo (RHDA.AD), coordenador do PIIT, a participação dos pais é essencial na construção da jornada de trabalho do jovem.

O coordenador do PIIT, Vinícius Ortiz de Camargo (RHDA.AD), disse que a presença da família em uma das atividades é fundamental, pois é ela a base afetiva para iniciar o jovem no mundo do trabalho. “É preciso que todos estabeleçam um compromisso e a semana de integração tem esse foco: aproximar os adolescentes e familiares com os objetivos e valores do programa.”

Outro aliado do adolescente para o bom desempenho no ambiente de trabalho e na vida pessoal é seu supervisor. Ortiz ressalta que é ele quem observa o jovem no dia a dia e reconhece as dificuldades. “O supervisor o acompanhada e vai ajudá-lo a lidar com os problemas diários”, disse.

Desde o início das atividades, em 1988, mais de 6.000 jovens passaram pelo PIIT. Com essa nova turma, a Itaipu conta agora com 172 participantes no programa, que tem como principal objetivo o direito à profissionalização do adolescente.


Francisca Mulato, mãe da jovem Maiara Mulato, fez suspense ao contar que a filha havia sido selecionada para o programa.

Para os pais, ver o filho trabalhando em uma empresa como Itaipu é motivo de orgulho. Há quem fez suspense para a filha antes de contar a notícia de que havia sido selecionada. “Ela me disse que o pessoal da Guarda Mirim tinha entrado em contato, mas não quis dizer onde eu iria trabalhar”, disse a jovem Maiara Mulato, de 16 anos, ao relatar a ligação da mãe. “Quando descobri, fiquei feliz, um misto de sensações.”

A justificativa da mãe é que desejava ver a reação da filha. “Segurei a notícia o dia todo, pois queria estar junto dela”, contou Francisca Mulato, que trabalha como zeladora. “Agora vou acompanhar e incentivá-la a dar sempre o melhor”, concluiu.


A mãe Leia da Silva disse que vai continuar acompanhando e incentivando o filho Wellington Machado Aranha.

Quem também assumiu o compromisso de estar ao lado do filho durante o tempo de contrato foi Leia da Silva, mãe do adolescente Wellington Machado Aranha, de 16 anos. “Estou muito feliz com o emprego dele. Sempre incentivei bastante e agora vou continuar dando todo o apoio”, disse. O garoto é só alegria. “Espero conseguir desenvolver um ótimo trabalho. O serviço valerá a pena”, contou.


Atenção é o que pede Lafaeti Cordeiro de Freitas ao filho Alessandro Santos Freitas. "Tem que ter cuidado", disse o pai.

Já na família Freitas, a grande cobrança do pai Lafaeti Cordeiro de Freitas sobre o filho Alessandro Santos Freitas, de 16 anos, é a atenção. “Espero que ocorra tudo bem, que ele realize um ótimo serviço. Tem que ter cuidado”, disse. Os jovens foram encaminhados às respectivas áreas de trabalho ainda na sexta-feira e começaram a atuar nesta segunda-feira (20).

Versão para impressão