Papais e Mamães Noéis da Financeira vestem o vermelho do Força Voluntária e garantem o Natal no Porto Meira

Papais e Mamães Noéis da Financeira vestem o vermelho do Força Voluntária e garantem o Natal no Porto Meira

17h51 - 06/12/2017

O abraço apertado do pequeno Heitor, de 3 anos, talvez tenha recompensado aquelas longas horas dentro de um traje quente. “As crianças são como anjos mandados por Deus para nos mostrar como a vida é boa”, resumiu o colega Marlon Cezar Rodrigues (OCCA.DF), que fez as vezes do Papai Noel e garantiu o Natal do Heitor, do Yuri, da Luana e de mais 460 crianças, de 3 a 15 anos, da Sociedade Civil Nossa Senhora Aparecida, no Porto Meira. 

O abraço apertado do Heitor foi só um dos vários que o Papai Noel Marlon deu na manhã desta terça-feira.

A entrega dos presentes da Campanha Estrelinha de Natal aconteceu na manhã desta terça-feira (6), menos de 24 horas depois do Dia Internacional do Voluntário, celebrado em 5 de dezembro. Um grupo de colegas da Diretoria Financeira lotados no Schumódromo vestiu os coletes do Força Voluntária, vermelhos como o traje de Noel, e partiu para o Porto Meira.

Os voluntários vestem vermelho. E não é de graça. Nesta terça, eles combinaram com o Papai Noel para fazer a festa com as crianças.

“É o dia mais aguardado do ano para estas crianças, é um momento único”, diz a coordenadora pedagógica Eva Bonfim, que tem 22 anos de trabalho na Creche Mãe Maria, uma das entidades vinculadas à Sociedade Civil. “A gente sempre pede para que os voluntários nunca deixem de trazer os presentes”, conclui.

Quem vem lá? Criançada do Porto Meira espera o ano todo para este dia.

Se depender da colega Viviane Aparecida da Silva (OCCG.DF), sempre haverá Natal no Porto Meira. Ela atua como voluntária na Creche Mãe Maria há cinco anos porque sabe do trabalho sério feito pela entidade. E também conhece a necessidade daquelas crianças. “É a nossa oportunidade de fazer algo pelos outros e, se a nossa empresa nos proporciona isso, consegue mobilizar as pessoas, por que não fazer?”, questiona Viviane.

Chofer do Noel. José Ignácio já levou o Bom Velhinho em outras festas de Natal, em seu Impala 59. "Legal ver a alegria da criançada".
  
Segundo Viviane, todo ano, a chegada do Papai Noel na creche é inusitada. “Eles ficam curiosos para saber como ele vai vir”, conta. Nesta terça, o Bom Velhinho pegou carona com o Impala 1959 do colega José Ignácio de Oliveira, 59 anos, assistido da Itaipu desde 2011. A cor vermelha do automóvel de colecionador, igual ao trenó natalino, chamou a atenção. “Já usei o carro em entregas de presentes em outras entidades, acho legal ver a alegria da criançada”, conta Ignácio. “Hoje, sou o chofer do Papai Noel”, brincou.

Olha a empolgação de Yuri, 4 anos, com seu possante amarelo.

Centenas de abraços

As crianças entraram na fila para conhecer o Bom Velhinho, fazer seus pedidos de Natal e levar a lembrança. Este ano, os presentes distinguiram as idades das crianças. Enquanto o Heitor brincava com seu carrinho amarelo, crianças maiorzinhas queriam mesmo saber era da bola de futebol. Para as meninas, a casinha colorida das pequeninas deu vez à bola de vôlei para as maiores. Todo mundo gostou.

A Luana, de 4 anos, estava louco para mostrar o brinquedinho que ganhou.

Depois dos abraços e dos presentes, a meninada se reuniu nas mesas, comportadinha, andando em fila. Era a hora do lanche – salgados e suco comprados em uma vaquinha feita pelos voluntários do Schumódromo. Todo mundo participou também da distribuição da comida, afinal, era o dia de Natal dos pequenos. E ano que vem tem mais.

Após conhecer o Papai Noel estava na hora do lanche.

Veja mais fotos da festa da criançada no Porto Meira

Versão para impressão