No Centro Executivo, Tiago Rossato fecha ciclo de apresentações na Itaipu

No Centro Executivo, Tiago Rossato fecha ciclo de apresentações na Itaipu

09h05 - 10/10/2017


Na sexta-feira (6), o acordeonista Tiago Rossato fez a última das quatro apresentações previstas em Itaipu, no hall do Centro Executivo.

Na sexta-feira (6), o músico Tiago Rossato, um dos acordeonistas de Gaita Ponto mais respeitados do País, fez a última das quatro apresentações previstas para os empregados e empregadas de Itaipu e do Parque Tecnológico Itaipu, no hall do Centro Executivo. A ação é parte do programa da Agenda Cultural do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), com apoio da binacional. Ele esteve acompanhado pela cantora Sofia Goulart e pelo violonista Alisson Ferraz.

Foram quatro shows, na quinta e na sexta-feira (5 e 6). No primeiro dia, as apresentações foram no Restaurante Prestivel e no Edifício das Águas. No segundo dia, o trio esteve no Restaurante Nuvens do Prisma (antigo Vermelho), antes de se apresentar ao público do Centro Executivo.

A apresentação contou com um repertório de quatro canções próprias e de autoria de outros artistas. O set list teve uma mesclas de gêneros de clássicos latino-americanos como chamamés, guaranias e tango. O show terminou com uma adaptação da canção Asa Branca, de Luiz Gonzaga.

Participar do ciclo de apresentações foi, para o músico, um momento “lindíssimo e especial", pela proximidade com o público. "Fazer essa intervenção intimista é diferente de estar em um grande palco, onde se está longe das pessoas. Foi uma sensação muito agradável. Pretendo voltar mais vezes,” afirmou Tiago.

Para a cantora Sofia Goulart, esposa de Tiago e cantora profissional há 11 anos, a experiência foi muito gratificante. Ela acompanha o músico profissionalmente há quatro anos. “Estou muito feliz. São lugares inusitados, onde as pessoas não esperam encontrar uma apresentação cultural. Vemos que isso desperta o interesse pela música e pela cultura”.


O objetivo das ações é aproximar o empregado de Itaipu, o colaborador do PTI e o público externo das  ações culturais.

O principal objetivo da ação é aproximar o empregado e o colaborador para ações culturais. Dessa forma, eles terão “um momento de reflexão e de pausa no dia a dia para apreciar a arte pela arte, sem que isso dependa de uma data comemorativa. Que a arte possa fazer parte do cotidiano das pessoas cada vez mais, tanto as de Itaipu quanto as do PTI,” disse Rodrigo Cupelli, organizador do evento pela Divisão de Educação Ambiental (MAPE.CD).

Para Jéssica Marques, representante do programa PTI Educação e Cultura, a ideia é expandir apresentações além do palco. “A gente quer a democratização, o acesso à cultura e a formação de plateia. Por isso saímos do cineteatro com essas pequenas apresentações e intervenções para trazer o hábito do consumo de cultura para a população de Foz e também para a comunidade interna,” explicou.

Os expectadores do Centro Executivo gostaram do evento. “Eu achei ótimo, um espetáculo. Essa apresentação, no horário do expediente, é interessante e bom para abstrair,” salientou a colega Patrícia Wrasse (SGSS.AD). Para a estagiária Etienne Araujo Todo Bom (CSII.GB), “Foi muito interessante. É uma boa intervenção de cultura. Você vê apresentações como essa de outra maneira por estar em um espaço organizacional”.

Durante a apresentação, os expectadores foram presenteados com minialfajores artesanais, produzidos pelo Conselho Comunitário da Vila C. O presente acompanhou uma frase reflexiva de escritores conhecidos mundialmente.

Novidades


No Edifício das Águas, o pessoal do PTI acompanhou o pocket show. Fotos: Kiko Sierich

Em breve, deve ser lançado um material com toda a programação da Agenda Cultural PTI e Itaipu. O programa quer integrar os eventos ao município. “Até o final do ano, nós vamos celebrar um pacto pela cultura com o município, no qual as entidades envolvidas são PTI, Itaipu, Fundação Cultural, Unila, Unioeste, e o Sistema S - representado pelo Sesc. Vamos estabelecer o princípio de uma política pública de cultura, em que cada ator social vai ficar responsável pela execução de uma parte desse pacto,” acrescentou Jéssica.


Momento lúdico de se encantar com a arte da música latino-americana.

Versão para impressão