Melhoramento genético pode contribuir para cadeia produtiva da tilápia

Melhoramento genético pode contribuir para cadeia produtiva da tilápia

11h45 - 22/01/2018

As entidades que integram o Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) querem investir no melhoramento genético da cadeia produtiva da tilápia na região. Os representantes técnicos das instituições participaram de uma rodada de conversa, na manhã de quinta-feira (18), na Itaipu Binacional, com o objetivo de aprender sobre as características do melhoramento genético e como ele pode contribuir com a cadeia produtiva dos peixes.

Os parceiros do Oeste em Desenvolvimento se comprometeram com o melhoramento genético da cadeia produtiva da tilápia.

O agrônomo Elias Nunes Martins, doutor em Zootecnia e especialista em melhoramento genético, fez uma apresentação sobre os pontos mais importantes a serem analisados para investir no aperfeiçoamento genético da produção. “É preciso saber qual o interesse do mercado, quais características devemos priorizar para atender as demandas de venda da tilápia”, explicou Elias.

Para Elias Martins, é preciso entender as necessidades do mercado para saber em que investir.

Ao final do encontro, os representantes das entidades assinaram uma ata de compromisso para dar o encaminhamento ao projeto e, nos próximos meses, criar um Programa de Melhoramento Genético da Tilápia na região. Participaram do encontro representantes de Itaipu, PTI, POD, Emater, universidades e da cooperativas Copacol e C. Vale, que já atuam na cadeia produtiva da tilápia.

De acordo com Nereu Procopiak, avanços no melhoramento genético são o próximo passo para a cadeia da tilápia.

“Este primeiro encontro mostra o compromisso da Itaipu com o agronegócio da região Oeste do Paraná e a resposta das cooperativas que se interessaram em participar do melhoramento da tilápia”, resumiu o Assessor da Diretoria de Coordenação, Antonio Nereu Procopiak Filho, representante da Itaipu no Programa Oeste em Desenvolvimento.

Versão para impressão