Maddog divulga "nuvem descentralizada" em palestra magna do Latinoware

Maddog divulga "nuvem descentralizada" em palestra magna do Latinoware

16h08 - 18/10/2017

O diretor do conselho do Instituto Linux Professional e presidente da OptDyn, Jon "Maddog" Hall, reviveu o povo mongol, na pele do conquistador Genghis Khan, para divulgar a plataforma de armazenamento de conteúdo Subutai® v6.0. Maddog fez a palestra magna do 14º Congresso Latino-Americano de Software Livre e Tecnologias Abertas (Latinoware), na manhã desta quarta-feira (18), no Cineteatro dos Barrageiros. No período da tarde, Maddog e outras autoridades participaram da solenidade de abertura do evento. O 14º Latinoware é promovido pela Fundação PTI e tem o patrocínio da Itaipu.

No final da apresentação, Maddog colocou uma toca para fazer referência ao povo mongol, que inspirou o nome do software Subutai.

Criado pela OptDyn, o Subutai – cujo nome faz referência a um general do exército mongol amigo de Genghis Khan – é um software de nuvem descentralizado para armazenamento seguro de informações na internet. Nele, o usuário decide onde seus dados (como fotos, documentos, aplicativos, notas e contatos) serão armazenados. Na quinta-feira (19), profissionais do PTI e da Itaipu farão um treinamento sobre o uso do software. Os participantes do Latinoware também poderão testar o Subutai.

Cineteatro dos Barrageiros ficou lotado com a tradicional palestra magna de Maddog.

“É um software seguro. No [sistema da Apple] iCloud, por exemplo, as informações vão para um grande computador nos Estados Unidos, junto com informações de outras milhares de pessoas. E não há garantia de que estarão seguros, que não serão espionados”, afirma Maddog, citando a interceptação de e-mails enviados pela ex-presidente Dilma Roussef, como um caso de espionagem. “No Subutai, é você quem instala, configura e tem domínio das informações”, acrescenta.

O estudante de primeiro ano de Ciências da Computação Natan Riboli, 17 anos, da Unoesc (Palma Sola-SC), ficou curioso sobre como ficaria a segurança das pessoas quando as "casas inteligentes" estiverem compartilhando as informações em nuvem. 

O software usa a lógica peer-to-peer (P2P ou ponto a ponto, em inglês), uma arquitetura computacional em que o conteúdo armazenado na rede se espalha pelos computadores de todos os usuários e não em um único servidor central, como nas nuvens convencionais iCloud, Google Drive, Dropbox, entre outras.

Além disso, pelo Subutai os usuários compartilham a capacidade de processamento de seus computadores pessoais para processar dados em rede. Cada usuário escolhe a quantidade de processamento e armazenamento que vai deixar disponível para o software. “Com o crescimento exponencial das informações na internet, este processamento compartilhado se torna cada vez mais fundamental”, defende Maddog.

Solenidade de abertura

Até sexta-feira (20), o 14º Latinoware reúne estudantes, professores, pesquisadores e entusiastas dos softwares de código aberto em mais de 200 atividades entre palestras, minicursos, mostras e bate-papos sobre temas como Segurança, Educação, Empreendedorismo e Negócios, Computação Forense, Software Livre, Design, Gráficos e Multimídia. A abertura oficial aconteceu no período da tarde, com a participação de diretores da Itaipu, do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e de Jon Maddog.

Solenidade de abertura aconteceu no período da tarde.

Para o diretor administrativo de Itaipu, Marcos Baumgartner, a defesa do software livre não deve se limitar aos três dias de Latinoware. “Não precisamos ficar dependendo de um software proprietário quando há opções livres, com tantos ou mais recursos. Esse evento busca incentivar a liberdade e, com a liberdade, a inclusão”, afirmou o diretor.

O superintendente de Informática da Itaipu, Daniel Ribeiro, acredita que o Latinoware é o momento para “reavivar o espírito livre nos mais experientes e acender a chama nos que estão iniciando”. E acrescentou: “É muito bom ver aqui tantos jovens em busca de conhecimento e informação. Nessa juventude depositamos a fé de um futuro melhor, baseado no conhecimento científico e na boa formação”.

Ramiro, Baumgartner e Ribeiro. PTI e Itaipu são intusiastas do software livre.

A juventude, uma das marcas do Latinoware, é também a “cara” do PTI, defende o diretor-superintendente da Fundação, Ramiro Wahrhaftig. “É um evento que gera conhecimento e estimula novas ideias. É dinâmico, jovem e cheio de novidades”, considerou. “O PTI é um grade propulsor de conhecimento e, justamente por esse motivo, promove e continuará promovendo o Latinoware”, concluiu.

Homenagem

Durante a abertura, Marcos Siriaco Martins, empregado aposentado de Itaipu e um dos criadores do Latinoware, foi aplaudido de pé. “Mesmo sabendo que era quase impossível, você foi lá e fez”, disse o coordenador da programação do evento, Duda Nogueira. “Esse evento já é uma marca e isso graça a sua insistência e dedicação. Você ajudou a transformar milhares de vidas”, complementou o gerente de Tecnologia, Informação e Comunicação do PTI, Carlos Araújo. 

Marcos Siríaco se emocionou com a homenagem dos participantes do Latinoware.

Mais informações sobre o 14º Latinoware no site www.latinoware.org

Versão para impressão