Jovens do Vira Vida fazem performance para empresárias

Jovens do Vira Vida fazem performance para empresárias

08h52 - 28/11/2017

"Tem gente que cuida da gente", dizia a poesia declamada pela aluna do programa Vira Vida às empresárias do ramo da indústria que vieram ao Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu, conhecer a iniciativa. O poema ainda enfatizava que o programa não é somente sobre as novas tecnologias, mas que na formação os jovens aprendem também a ser "humanos". 
 
A visita das 66 empresárias foi realizada na sexta-feira (24). Elas foram apresentadas à equipe do Programa de Educação e Cultura do PTI e do Vira Vida, que atua na formação para a inserção social e profissional de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social. As visitantes tiveram a oportunidade de conversar com os jovens e assistir a uma apresentação de dança circular ao som da música “Trem Bala” feita pelos alunos.
 
A empresária Sueli Roveda Campagnolo, esposa do presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Luiz Campagnolo, estava na comitiva. Ela comentou a importância de programas como o Vira Vida. “Eu acho que é tão pouco o que fazemos. No Vira Vida, foram 400 inscritos e só entraram 70. Isso é um problema pontual que ocorre em nosso país, e a indústria está fazendo a sua parte”, disse.
 
O Vira Vida é um programa do Serviço Social da Indústria (SESI) e o PTI e a Itaipu Binacional são parceiros da instituição desde 2014. De acordo com Sueli, essa parceria foi fundamental para a manutenção do projeto, que estava ameaçado em virtude da desistência dos alunos. “Às vezes acabávamos com turmas com 10, 12 alunos. E depois que a Itaipu e o PTI abraçaram essa causa conosco foi fundamental para a sobrevivência do projeto”, destacou.

Sueli ressalta que mais empresas deveriam dar oportunidade para esses jovens. “Não podemos perdê-los para as ruas novamente”. Por isso, conforme ela, estão sendo feitos estudos para readequar a formação para atender a necessidade dos futuros empregadores em Foz do Iguaçu. Como a cidade tem vocação turística, a intenção é adicionar aulas de línguas estrangeiras.
 
A empresária afirmou ter ficado maravilhada com as iniciativas do PTI. “A Itaipu e o PTI estão devolvendo para a sociedade pessoas melhores. Essa convivência com as faculdades, com as pesquisas de inovação e tudo mais o que acontece aqui. Eu fiquei encantada”.

Fonte: PTI

Versão para impressão