Gestores culturais debatem no Ecomuseu importância do setor para a economia

Gestores culturais debatem no Ecomuseu importância do setor para a economia

10h52 - 13/04/2018

Diretora da Garimpo de Soluções, Ana Carla Fonseca falou aos gestores culturais da BP3 sobre experiências no Brasil e no mundo.

Gestores culturais da Bacia do Paraná 3 (BP3) estão reunidos até esta sexta-feira (13) no Ecomuseu de Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu, para o 2º Encontro Regional de Cultura, que tem como tema “Cultura e desenvolvimento territorial”. Um dos objetivos do evento é discutir alternativas para convencer as administrações públicas de que a cultura é importante inclusive como alavanca econômica, gerando emprego e renda para os municípios.

“A cultura é sempre relegada e queremos estimular esse debate na região”, afirmou a museóloga Tamiris Amancio (MAPE.CD). “A ideia é possibilitar conhecimento sobre economia criativa, economia da cultura, para que os gestores levem aos munícipes e prefeitos informações sobre o papel da cultura dentro do contexto do desenvolvimento local e territorial.”

Tamiris Amancio, museóloga do Ecomuseu: “A cultura é sempre relegada e queremos estimular esse debate na região”.

A palestra de abertura, na quinta-feira (12), foi feita pela mestre em Administração e doutora em Urbanismo Ana Carla Fonseca, diretora da Garimpo de Soluções, empresa de economia criativa e cidades criativas que já atuou em 30 países e quase 200 municípios.

Ana Carla trouxe uma série de exemplos, no Brasil e no exterior, de iniciativas que confirmam a eficiência das cadeias criativas e do impacto que elas têm na sociedade – passando pela música, teatro, artes plásticas, gastronomia, entre outras.

Um festival gastronômico no Peru, por exemplo, chamado Mistura Somos Todos, atrai 700 mil pessoas todos os anos, movimentando diferentes setores da economia – dos camponeses que fornecem a matéria-prima dos pratos apresentados no festival aos funcionários de hotéis e motoristas de táxis. “O festival tem dez anos e já é visto como símbolo cultural do país.”

Encontro reuniu gestores culturais de municípios da Rede de Cultura da BP3, da além de Jesuítas e Palotina.

A diretora da Garimpo de Soluções também chamou a atenção da velocidade das transformações sociais, especialmente a partir da década de 1990, com o advento das novas tecnologias. Segundo ela, a velocidade das mudanças hoje é 3 mil vezes maior que na época da Revolução Industrial. “Temos que expandir a nossa capacidade de lidar com diferentes temas”, comentou, defendendo ainda projetos que não dependam de incentivos fiscais para sair do papel.

A diretora de cultura de Guaíra, Marli Jardim, elogiou a iniciativa e disse que o espaço de discussão possibilita uma troca de informações intensa, que reflete na adoção de novas políticas municipais. “Em todos os encontros buscamos ampliar nossos conhecimentos, tanto na parte teórica como nas formas de obter mais recursos para a cultura. Por isso, essa vivência com os gestores culturais é muito importante”, avaliou.

Para o gestor de cultura de Mercedes, Ilerson Dörner, “é gratificante vir para cá e renovar nosso conhecimento e ter um novo ânimo para continuar nossa caminhada”. “Porque nós estamos sempre enfrentando diversos desafios – econômicos, políticos – e queremos levar para os nossos municípios a importância da continuidade dos projetos na área cultural.”

O 2º Encontro Regional de Cultura é organizado pela Rede Regional de Cultura e Patrimônio da BP3, ação articulada pelo Ecomuseu de Itaipu e o Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu, em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura do Paraná (Seec-PR), Unila, Unioeste, UTFPR, FPTI, entre outros.

Ilerson Dörner, gestor de cultura de Mercedes, e Marli Jardim, diretora de cultura de Guaíra: troca de experiências. 

Versão para impressão