Encontro e Caminhos promove oficinas de grafite nos municípios da BP3

Encontro e Caminhos promove oficinas de grafite nos municípios da BP3

11h34 - 10/10/2017

O Programa Encontros e Caminhos está promovendo, desde o mês passado, oficinas de grafite nos municípios da Bacia do Paraná 3 (BP3). Em setembro, as aulas aconteceram em Pato Bragado e Maripá. O projeto continua nos outros municípios como uma das diversas ações ambientais, culturais e educacionais promovidos pela iniciativa. O Programa é desenvolvido pela Itaipu em parceira com o Conselho dos Municípios Lindeiros e as prefeituras.

Os muros do Colégio Pato Bragado ficaram mais bonitos com os grafites.

Em Pato Bragado, a oficina proporcionou um dia divertido e de muito conhecimento para os alunos do Colégio Pato Bragado. “Além do aprendizado, o grafite deixou a escola mais bonita e serviu de motivação para os estudantes. Nos sentimos valorizados por deixar nossa marca”, conta a presidente do grêmio estudantil e aluna do 2º ano, Ana Paula Bressan, de 16 anos.

Em Maripá, os jovens atletas ajudaram na grafitagem.

No município de Maripá, além dos painéis do Encontros e Caminhos, foram pintados outros em parceria com a Educação Ambiental de Itaipu. Os temas fazem referência aos símbolos de Maripá, conhecida por “Cidade das Orquídeas”. “A ideia é que esses painéis não apenas embelezem o espaço, mas que transmita os nossos valores, a educação ambiental, a cultura e a história de Maripá”, afirma a educadora ambiental Irani Moreira Kreutz, coordenadora do Programa no município.

Painel gigante

No final do mês, a Praça da Criança, em Toledo, ganhou um painel de 200 m² que reuniu temas sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). “Queremos que o painel seja um veículo de informação e educação para as pessoas. Mesmo que elas não saibam exatamente o que são os ODS, queremos que, ao olhar o painel, se sinta motivadas e transformadas em favor da sustentabilidade”, diz a coordenadora do Comitê Gestor do Encontros e Caminhos de Toledo, Tânia Lagemann.

Painel gigante coloriu a cidade de Toledo.

A grafitagem foi coordenada por Isaac Souza de Jesus, grafiteiro que teve sua própria vida transformada pela arte do grafite, em uma época em que se recuperava do vício das drogas. Hoje grafiteiro por profissão, Isaac coordena o Cufa (Central Única das Favelas) em Toledo e utiliza o grafite como ferramenta para se aproximar de jovens e adolescentes e transformar vidas. “Precisamos deixar um legado positivo e a arte pode fazer isso. O grafite dá oportunidade para expressão e o nosso desafio é tornar esta expressão positiva, para o bem”, analisa.

Versão para impressão