Cooperativa de Santa Helena realiza curso sobre sementes crioulas

Cooperativa de Santa Helena realiza curso sobre sementes crioulas

08h18 - 05/12/2017

Um trabalho desenvolvido em Ouro Verde do Oeste resultou no compartilhamento de conhecimentos relacionados à agricultura familiar e cultivo com sementes crioulas. A prática e teoria se complementam como mistura de ideologia e correntes culturais e pode representar a manutenção e sobrevivência no decorrer da história da agricultura. O manejo de sementes é interpretado como uma herança da sabedoria ancestral contada desde o início da história da agricultura. Parte desta riqueza desapareceu e outra parte está ameaçada. A estimativa é que no início mais de 7 mil espécies de alimentos eram cultivadas, número que está reduzido a poucas espécies em diferentes variedades que formam a base da alimentação, segundo o engenheiro agrônomo Rodrigo Novakoski. Letícia Maria Jung Weber, uma das agricultoras que participou do curso em Ouro Verde do Oeste diz que as sementes crioulas representam uma viagem ao passado. Ela ressalta que cresceu em um tempo de guardar as sementes para poder plantar novamente. Os Impactos da agricultura convencional, impactos sociais, ambientais e econômico, agroecologia como agricultura alternativa e sustentável estiveram em pauta. Ao fi nal foi realizada uma feira de sementes crioulas, plantas ornamentais e medicinais levadas pelos próprios participantes. “A troca de sementes para mim foi uma maravilha era um sonho meu participar do encontro e dividir isso espero participar mais vezes”, ressalta Letícia Weber. Manter viva essa história foi um dos objetivos do curso ministrado pelo engenheiro agrônomo Rodrigo Novakoski, da Cooperativa de Trabalho e Assistência técnica do Paraná (Biolabore), promotora do evento em parceria com a Itaipu Binacional.

Fonte: Gazeta de Toledo

Versão para impressão