Adriana Vianna destaca papel de Itaipu além da geração de energia

Adriana Vianna destaca papel de Itaipu além da geração de energia

11h24 - 18/04/2017


Adriana Vianna na usina: dois dias na região e a conclusão: “Itaipu é uma usina atemporal".

A advogada ambientalista Adriana Vianna fez uma visita, nos últimos dias 10 e 11, às instalações da usina de Itaipu, ao Parque Tecnológico Itaipu e conheceu diversas ações do Programa Cultivando Água Boa na região. Entre uma parada e outra, Adriana acompanhou a soltura do filhote de onça-pintada no recinto do Refúgio Biológico Bela Vista aberto à visitação turística.

Nos municípios lindeiros, Adriana foi recebida por várias autoridades locais. Em Santa Terezinha de Itaipu, a advogada foi recepcionada pelo prefeito Cláudio Eberhard. Em São Miguel do Iguaçu, pelo prefeito Cláudio Dutra. O prefeito Hilario Jacó Willers, e o vice-prefeito, Eduardo Staudt, de Missal, acompanharam a visita no município.

“Recebi o convite do Vianna (Luiz Fernando) pelo meu conhecimento e interesse nas áreas de meio ambiente e fundiário do setor elétrico”, conta a advogada, que é esposa do diretor-geral brasileiro de Itaipu. A programação foi feita com base na expertise da advogada. Para ela, os programas socioambientais de Itaipu comprovam que os empreendimentos do setor elétrico possuem um papel importante muito além de gerar energia para o suprimento energético do País.

“Itaipu se mostra como uma usina atemporal, pois se atualiza ao longo dos anos não só tecnologicamente, mas também sob os aspectos sociais e ambientais." E complementou: “O que me chamou a atenção foi que a equipe envolvida nesses projetos possui grande envolvimento e credibilidade com a comunidade local, o que corrobora para a missão exitosa de atuar como facilitadora do processo de implementação dos programas, agregando sociedade, poder público e terceiro setor em objetivos comuns e resultados benéficos para todos".

Começando pela usina 


Visita foi uma oportunidade para conhecer pontos interessantes da usina, como o leito original do Rio Paraná, na cota 40 da barragem principal.

Na manhã do dia 10, a advogada assistiu ao filme institucional de Itaipu e, logo em seguida, ciceroneada pelo diretor-superintendente da Fundação Parque Tecnológico Itaipu, Juan Carlos Sotuyo, foi para o PTI. Sotuyo falou sobre as iniciativas de inovação e pesquisa do espaço. Depois de conhecer vários detalhes sobre o parque, por volta das 11h, Adriana fez uma visita técnica à usina. Adriana se surpreendeu com a grandiosidade de Itaipu e a equipe que detalhou tudo sobre a obra, que é a maior em geração de energia elétrica do mundo. O almoço foi no Porto Kattamaram.

Depois, ela seguiu para o Refúgio Biológico Bela Vista para acompanhar a soltura da oncinha no recinto. Foi o primeiro dia livre do primeiro filhote de onça reproduzido em cativeiro na unidade de conservação. A oncinha foi colocada no espaço com a mamãe Nena. O papai Valente será colocado às terças-feiras e sextas-feiras no local - que, nos demais dias, será ocupado pela dupla mãe e filhote. O revezamento é para garantir o bem-estar de todas as onças.

O diretor-geral brasileiro, Luiz Fernando Vianna, e toda a equipe do Refúgio e imprensa acompanharam o manejo. Ainda no período da tarde, Adriana conheceu as instalações do Centro Executivo.   

Giro pela região


Visita à propriedade de alimentos orgânicos de Luiz Arruda, em São Miguel do Iguaçu.

Na terça-feira, a advogada ambientalista fez um tour pela região para conhecer as ações do Cultivando Água Boa. O acompanhamento foi feito pelo assistente da Diretoria de Coordenação, Gilmar Secco.

Em Santa Terezinha de Itaipu, a Adriana conheceu projetos de grande relevância desenvolvidos em parceria com a Itaipu, como o Coleta Solidária, o Corredor da Biodiversidade de Santa Maria, que cobre uma área de 1.800 hectares, e projetos de educação ambiental, como cisterna e coletivo educador. O Coleta, por exemplo, é desenvolvido num barracão, que está em reforma.

Os catadores ganharam no ano passado mais 2.000 metros quadrados de terreno da prefeitura e um espaço de 770 metros quadrados para a convivência dos 40 catadores do município.

Em Santa Terezinha, assim como em Santa Helena e Marechal, os catadores recebem um valor fixo pela prefeitura. O faturamento médio mensal é de R$ 1.200. Em Santa Terezinha são recolhidas 110 toneladas de resíduos por mês.

A intenção é chegar a 150 toneladas, por meio de campanhas para conscientização. Hoje, das 7 mil residências, 75% colaboram com o programa. E apenas 10% do lixo da cidade vai para o aterro, o resto é reciclado.

Turismo rural

O almoço foi na propriedade do agricultor Luiz Arruda, com visita à propriedade de cultivo de alimentos orgânicos. Durante o turismo rural, ela fez contato com a Aprosmi, que reúne 17 famílias, num total de 163 produtores. Os produtos deles abastecem as escolas da cidade. Ela foi recebida no município pelo prefeito Cláudio Dutra.

Em Missal, ela conheceu o sistema solo-cimento, que faz a proteção das nascentes. Foram 25 nascentes recuperadas por este sistema, na parceria entre prefeitura e Itaipu. Os alunos da Escola Dom Armando participaram da ação educativa, ouvindo as explicações sobre a importância de preservação dos rios. A advogada foi convidada a plantar um ipê-amarelo. No local já foram plantadas 50 árvores, entre ipês, gabirobas e araçás. Adriana saiu maravilhada com a visita e com a certeza de que a Itaipu gera mais do que energia, gera desenvolvimento e sustentabilidade.

Veja mais imagens








Versão para impressão